Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CAMILO CULTOR DA MEMÓRIA…

diario de agosto 31.jpg

 

TU CÁ TU LÁ

COM O PATRIMÓNIO

Diário de Agosto * Número 31

 

Chego ao fim deste Diário de Agosto. Muito ficou por dizer.

 

Hoje falo do Bruxo de Seide. Sim dum bruxo, que soube usar a língua e a narrativa como um modo de enfeitiçar… Camilo Castelo Branco é, por certo, o escritor português que mais sistematicamente cultivou o património e a memória. Ah, como é enganadora a sua fama! Profundo conhecedor do Portugal profundo, deu-nos nos seus romances um retrato rigoroso sobre as tradições, as angústias e as aspirações mais inóspitas e escondidas. Conheceu bem a Patuleia, nas suas diferentes componentes – desde o culto das tradições, das hostes do General Póvoas, à força incontida do inconformismo… E a sua biografia é um verdadeiro alfobre de temas que foi desenvolvendo e desconstruindo ao longo de um conjunto inumerável de títulos. Não se pense, porém, na superficialidade do escritor. Longe disso. Leitor insaciável, reunia informações e documentos, que conhecia como ninguém, e que faziam dele um dos nossos escritores mais cultos. É um caso singularíssimo na língua portuguesa. Longe do repentismo ou da facilidade, estamos perante um verdadeiro cultor das letras que se evidenciou ao saber aliar a um grande talento narrativo, uma capacidade de evocação única e a exigência de um profissional de primeira água, equiparável aos maiores de sempre, como Dickens ou Balzac… Alexandre Cabral fala, com razão, do «exemplo de um profissionalismo sem mácula, nesse estrito aspeto, que não foi ainda ultrapassado». Fialho de Almeida calculava a produção camiliana em cerca de 180 volumes e 54 mil páginas.

 

Aquando da prisão na Relação do Porto, no processo de Ana Plácido, D. Pedro V fez questão de visitar o romancista duas vezes, em novembro de 1860 e no final do Verão de 1861, com palavras de admiração, e, como corresse a notícia de que o monarca lhe mandara oferecer dois contos de réis, Camilo apressou-se a esclarecer e a desmentir: «Eu creio que o Sr. D. Pedro V é infinitamente delicado, e só dá esmolas a quem lhas pede. Quando S. M. me fez a honra de perguntar, na cadeia, em que ocupava, respondi a S. M.: que trabalhava. Ou o Sr. D. Pedro V entendesse que eu me ocupava em chapéus de palha ou em romances, ou em caixinhas de banha, a minha posição ficava defendida para o inteligente monarca: o homem que trabalha não pede nem aceita esmolas; e, se a pedisse ao rei, julgar-se-ia tão humilhado, como se a pedisse ao ínfimo dos homens». Estava em causa a hombridade e a direitura da sua dignidade.

 

Como escritor que se empenhava num verdadeiro drama quotidiano, confessa: «Eu inclinava o peito crivado de dores sobre uma banca para ganhar, escrevendo e tressudando sangue, o pão de uma família. A luz dos olhos bruxuleava já nas vascas da cegueira. E eu escrevia, escrevia sempre».

 

Oiçamo-lo então nas páginas inesquecíveis de “A Queda de Um Anjo”:

 

   «Fermentou na mente dos principais lavradores e párocos das freguesias do

   círculo eleitoral a ideia de levar ao Parlamento o morgado da Agra de Freimas.

   Os deputados eleitos até àquele ano, no círculo de Calisto Elói, eram coisas

   que os constituintes realmente não tinham enviado ao congresso legislativo.

   Pela maior parte, os representantes dos mirandeses tinham sido uns rapazes

   bem-falantes, areopagitas do café Marrare, gente conhecida pela figura desde o

   botequim até S. Carlos, e afeita a beber na Castália, quando, para encher a

   veia, não preferia antes beber da garrafeira do Mata, ou outro que tal

   ecónomo dos apolíneos dons.

   Em geral, aquela juventude esperançosa, eleita por Miranda e outros sertões

   lusitanos, não sabia topograficamente em que parte demoravam os povos seus

   comitentes, nem entendia que os aborígenes das serranias tivessem mais

   necessidades que fazerem-se representar, obrigados pelo regímen da

   constituição. Se algum influente eleitoral, prelibando as delícias do hábito de

   Cristo, obrigara a urna e o senso comum a gemer nos apertos do doloroso

   parto do paralta lisboeta, o tal influente considerava-se idóneo para escrever

   ao deputado, incumbindo-lhe trabalhar na nomeação de um vigário chamorro,

   ou outra coisa, que foi denominação de bando político, em tempo que a

   política não sabia sequer dar-se nomes decentes. Pois o deputado não

   respondia à carta do influente, nem o requerente sabia onde procurá-lo fora

   do Marrare. 

   Por muitos factos desta natureza conspiraram os influentes do círculo de

   Miranda contra os delegados do Governo; e a ideia de eleger o morgado foi

   recebida entusiasticamente por todos aqueles que o ouviram falar no adro da

   igreja, e por quantos tiveram notícias da sua parlenda.

   O partido, que o mestre-escola ganhara de eloquente assalto, cedeu ao império

   das razoáveis conveniências, e centralizou-se na maioria. A verbosidade,

   porém, do professor não ficou despremiada, sendo nomeado secretário da

   junta de paróquia.

   Resistiu Calisto de Barbuda tenazmente às solicitações dos lavradores, que o

   procuraram com o mestre-escola à frente, facto que muito honra este

   desinteresseiro e reportado funcionário. Neste encontro, o professor excedeu

   o juízo avantajado que ele propriamente fazia da sua vocação oratória.

   Mostrou as fauces do abismo escancaradas para travarem Portugal, se os

   sábios e virtuosos não acudissem a salvar a Pátria moribunda. Calisto Elói,

   enternecido até às lágrimas pela sorte da terra de D. João I, voltou-se para a

   esposa, e disse, como o agricultor Cincinato:

   — Aceito o jugo! Assaz receio, mulher, que os nossos campos sejam mal

   cultivados este ano.

   Estavam próximas as eleições.

   A autoridade, assim que soube da resolução do morgado da Agra, preveniu o

   Governo da inutilidade da luta. Não obstante, o ministro do Reino redobrou

   instâncias e promessas, no intuito de vingar a candidatura de um poeta de

   Lisboa, mancebo de muitas promessas ao futuro, que tinha escrito revistas de

   espetáculos, e recitava versos dele ao piano, cuja falta ou demasia de sílabas a

   bulha dos sonoros martelos disfarçava. Redarguiu o administrador do

   concelho ao governador civil que pedia a sua demissão para não sofrer a

   inevitável e desairosa derrota.

   Quis assim o Governo aliciar no círculo algum proprietário, que

   contraminasse a influência do candidato legitimista, fazendo-se eleger. Alguns

   lavradores, menos aferrados à candidatura de Calisto, lembraram à autoridade

   o professor de instrução primária, estropeando frases dos discursos dele,

   proferidos na botica. O administrador riu-se, e mandou-os bugiar, como

   parvajolas que eram.

   Por derradeiro, o governador civil fez saber ao ministério que os povos de

   Vimioso, Alcanissas e Miranda se tinham levantado com selvagem

   independência e tinham fugido com a urna para os desfiladeiros das suas

   serras.

   Pelo conseguinte, não pôde ser proposto o poeta, que, beliscado na sua

   vaidade, assanhou-se contra o Governo, escrevendo umas feras objurgatórias,

   as quais, se tivessem gramática à proporção do fel, o Governo havia de pôr as

   mãos na cabeça e demitir-se.

   À exceção de uma lista, o morgado da Agra de Freimas teve-as todas. A que

   não tinha o nome simpático aos eleitores votava em Brás Lobato, professor de 

   instrução primária, secretário da junta de paróquia, e ex-sargento das milícias

   de Mirandela. Parece que votara em si o mestre-escola. Afinal, maculou a

   alvura do nobilíssimo desprendimento com que perorara em pró da eleição de

   Calisto! Fragilidade humana!

   Principiou, desde logo, o morgado eleito a refrescar a memória com as suas

   leituras de história grega e romana. Era isto entroixar ciência e enfeixar flores

   para o Parlamento. Depois, releu a legislação dos bons tempos de Portugal, a

   fim de restaurar os costumes desbaratados, fazendo remoçar as leis, que

   tinham sido o tabernáculo da moral humana guardado pelo temor de Deus.

   Tosquenejou muitas noites sobre os bacamartes pulvéreos; e, desde que a

   manhã raiava até horas de almoço, ia à margem do Douro, que lhe lambia a

   ourela da quinta, declamar, como Demóstenes nas ribas marítimas, ao estridor

   de um açude e das rodas de duas azenhas. Os moleiros, que o viam bracejar, e

   lhe ouviam o vozeamento, benziam-se, pensando que o sábio treslera, ou

   coisa má lhe entrara no corpo. A Sra. D. Teodora Figueiroa, vendo o marido

   assim tresnoitado, seguia-o às vezes, de madrugada, espreitava-o de um

   cabeço sobranceiro ao rio, e benzia-se também, dizendo: «Dão-me com o

   homem em doido!»  

      (A Queda de Um Anjo)

 

   Agostinho de Morais

 

 

 

AEPC.jpg


A rubrica TU CÁ TU LÁ COM O PATRIMÓNIO foi elaborada no âmbito do 
Ano Europeu do Património Cultural, que se celebra pela primeira vez em 2018
#europeforculture

 

 

 

 

 

LUÍS DE CAMÕES: A QUEM SEMPRE NOS CONFIAMOS

 

Lindo e subtil trançado, que ficaste

em penhor do remédio que mereço,

se só contigo, vendo-te endoideço,

que fora cos cabelos que apertaste?

 

Aquelas tranças de ouro que ligaste,

que os raios do sol têm em pouco preço,

não sei se, ou pera engano que peço,

ou pera me atar, as desataste.

 

Lindo trançado, em minhas mãos te vejo,

e por satisfação de minhas dores,

como quem não tem outra, hei-de tomar-te.

 

E, se não for contente meu desejo,

dir-lhe-ei que, nesta regra dos amores,

pelo todo também se toma a parte.

 

A ideia-mater do soneto baseia-se no conceito final: por o todo também se toma a parte. A parte do todo é um lindo trançado (fita para apertar tranças) com que o poeta traça amoroso monólogo.

 

Sonetos Luís De Camões, prefácio, seleção, notas e bibliografia de João de Almeida Lucas, Vice-Reitor do Liceu de D. João de Castro – Livraria Clássica Editora A.M. Teixeira & C.A (FILHOS), Lda.

 

Teresa Bracinha Vieira

MAIS LIVROS DE NATAL… DEZ LIVROS, DEZ...

 

Continuamos a ajudar os nossos amigos fiéis para boas leituras e para boas partilhas da arte de ler.

Eis mais dez livros portugueses imprescindíveis em qualquer tempo…

 

1) Sinais de Fogo, Jorge de Sena, Livros do Brasil;

2) Vale Abraão, Agustina Bessa-Luís, prefácio de António Lobo Antunes, Relógio d’Água;

3) Fénix Renascida, edição de Ivo de Castro, Enrique Rodrigues-Moura e Anabela Leal de Barros, Fundação C. Gulbenkian;

4) El-Rei Junot, Raul Brandão, Guerra e Paz;

5) A Porta e Outras Ficções, Fernando Pessoa, Assírio e Alvim;

6) Abril e Outras Transições, José Cutileiro, D. Quixote;

7) 1640, Deana Barroqueiro, Casa das Letras/Leya;

8) O Pequeno Caminho das Grandes Perguntas, José Tolentino Mendonça, Quetzal;

9) Poesia, Mário Cesariny de Vasconcelos, Assírio e Alvim;

10) Oblívio, Daniel Jonas, Assírio e Alvim.

 

A não perder!

CNC

TEN SEM TOP…

 

DEZ LIVROS PARA LER ABSOLUTAMENTE…

 

Aproveitando a aproximação das Festas, publicaremos, ao longo do mês de dezembro, diversas sugestões de boa leitura.

Hoje apenas literatura portuguesa…

Eis o começo!

 

1) Até que as Pedras se Tornem mais leves que a Água, António Lobo Antunes (D. Quixote);

2) O Bebedor de Horizontes, Mia Couto, Terceiro volume de As Areias do Imperador (Caminho);

3) Domingo à Tarde, Fernando Namora (Caminho) - reedição;

4) Esta noite sonhei com Brueghel, Fernanda Botelho (Abysmo) - reedição;

5) Cinzento e Dourado – Raul Brandão em Foco nos 150 anos do seu Nascimento, Vasco Rosa (Imprensa Nacional);

6) Tempo de Escolha, António Barreto (Relógio d’Água);

7) Bíblia, volume III, tradução do grego de Frederico Lourenço (Quetzal);

8) Poesia, Eugénio de Andrade (Assírio e Alvim);

9) Transporte no Tempo, Ruy Belo (Assírio e Alvim);
10) Gastão Cruz, Existência (Assírio e Alvim).

 

Muito boas leituras!

CNC

A VIDA DOS LIVROS

 

De 13 a 19 de fevereiro de 2017.

 

Óscar Lopes (1917-2013) é na Literatura Portuguesa um marco fundamental, como estudioso e pedagogo. Não é possível compreender a «História da Literatura Portuguesa» sem recorrermos ao livro, com o mesmo título (1ª edição, 1955), que escreveu com António José Saraiva. Os seus discípulos, de todas as orientações no campo das ideias, atestam bem a importância cultural e cívica do magistério dessa obra e o lugar fundamental que ocupa para a compreensão da cultura portuguesa.

 


ESTUDIOSO INCANSÁVEL
Óscar Lopes foi um estudioso incansável nos domínios da Literatura e da linguística – e acreditava profundamente na capacidade da arte mudar socialmente o mundo. Era, assim, um leitor muito atento das obras contemporâneas que analisava, não se deixando influenciar por fatores subjetivos ou preconceitos. Foi assim dos primeiros a reconhecer a qualidade de escritores que foram recebidos com desconfiança nalguns meios por razões ideológicas. Com facilidade, intuiu desde o primeiro momento a qualidade e o espírito inovador, que viriam a consagrar esses escritores, como foi o caso de Agustina Bessa Luís. Sendo muito diferente de António José Saraiva formou, porém, com ele uma equipa de critério e qualidade que funcionava com equilíbrio e complementaridade, o que, aliás, permitiu que esse «tandem» pudesse subsistir apesar do afastamento ideológico entre os dois. Se António José Saraiva era mais intuitivo, capaz de abrir pistas fecundas, que a investigação mais aprofundada viria a confirmar, até pela grande diversidade de campos de interesse que cultivou, em especial na história da cultura, Óscar Lopes era um analista sereno e seguro, de uma racionalidade persistente. Contudo, a perenidade da obra comum advém da complementaridade dos dois autores e dos seus métodos. A título de exemplo, num ensaio célebre sobre Antero de Quental («Vida e Legado de uma Utopia», 1983) diz-nos: «Provavelmente, ainda hoje não estamos em condições de compreender a dinâmica mais íntima da tragédia global que Antero viveu. É impossível determinar em que medida a sua doença dependia de fatores orgânicos congénitos, e em que medida esses fatores se entrelaçam com um conflito psico-social de formações ideológicas implantado numa sensibilidade, ou generosidade, de extrema agudeza». O certo é que o temperamento místico pedia uma opção religiosa – daí a opção política e social. Como reconhece Óscar Lopes, a «religiosidade aparece como uma grande força hereditária (de uma hereditariedade predominantemente social, familiar, materna), mas uma grande força em grande medida racionalizada e voluntarizada, reendereçada e doutrinada tanto quanto possível, num grande esforço de conscientificação, de comunicação e responsabilidade social, de hombridade». Eduardo Lourenço, de algum modo, chega a uma idêntica conclusão, salientando, nesse carácter, a força intelectual e poética de um dos poetas mais fecundos da nossa cultura. «O que é facto é que Antero viveu sempre, desde que abandonou o catolicismo, um conflito insanável. De um lado está o rigoroso panlogismo de inspiração hegeliana, segundo o qual toda a história cósmica e humana se desenrolaria como desenvolvimento de um plano, a Ideia, operando através de sucessivos estádios sintéticos, superando sucessivos antagonismos de tese-antítese. Ideia em que (segundo uma fórmula de Vico-Michelet) o homem acabara por fazer-se a si próprio, movido por impulso inconsciente, até se tornar a corporização consciente da própria Ideia». No entanto, de outro lado, por oposição a este determinismo, Antero assume uma metafísica de raiz leibniziana (enriquecida pelos contributos de Kant, Maine de Biran ou Cousin), para a qual a subjetividade humana constituiria o paradigma a cuja luz se compreendem os seres reais - «o mundo espiritual e moral seria uma harmonia de mónadas em fases diversas de desenvolvimento espiritual e moral».

 

UMA TENSÃO EMANCIPADORA
Esta tensão revela-se na evolução intelectual de Antero, enquanto inspirador da geração que tanto influenciou e que passaria a história identificada com as Conferências Democráticas do Casino. Deste modo, a própria ideia de Revolução corresponderia à instauração histórica de uma Justiça imanente, que pressupunha o culminar de um processo objetivo, mas também voluntarista, e que culminaria num movimento mutualista-federativo, nitidamente influenciado por Proudhon. A dialética idealista de Antero pretende, no fundo, considerar e articular os dois polos em que a reflexão do poeta se processa. Assim, apenas compreendemos plenamente a viragem operada pela Geração de 1870, tão influente nas décadas seguintes, se entendermos a complementaridade entre a dialética hegeliana e a monadologia de Leibniz. Daí o facto de a tomada de consciência da importância da intervenção dos intelectuais, como aconteceu em França no caso Dreyfus, com tanta importância no século XX ideológico e político, ter tido expressão precursora em Portugal num movimento eminentemente cultural e literário mas politicamente relevante, que se prende indelevelmente ao grande tema que ocupará Julien Benda em «A Traição dos intelectuais».

 

UMA REFERÊNCIA
Antero, assume-se, nesta linha, claramente como alguém que não regateia esforços na sua responsabilidade de cidadão e de intelectual. Haveria que intervir no espaço público, para permitir a tomada de consciência das responsabilidades coletivas, no caso português, com vista a contribuir para a emancipação de um povo que não podia estar condenado ao fatalismo do atraso. A responsabilidade dos intelectuais teria a ver com as tarefas concretas ligadas à liberdade, à igualdade e à compreensão da evolução humana, animadas pela Ideia de justiça, mas também pela necessária mobilização de vontades para além do mero determinismo. Antero de Quental torna-se, deste modo, uma referência na análise de Óscar Lopes. A monadologia de Leibniz presta-se a uma interpretação do mundo ao mesmo tempo naturalista e espiritualista. E Antero considera-a, numa perspetiva de raiz kantiana, ligando uma lógica transcendental a uma ética de progresso social e histórico. Assim, o ingrediente hegeliano tem uma importância significativa. É um «espartilho de fino aço», sempre presente, que (na análise de Joaquim de Carvalho, corroborada por Óscar Lopes) «nunca lhe consentiria um divórcio adialético entre o ser (ou ser-se) e uma razão qualquer que ela seja, que, de algum modo, acabará sempre por dar conta desse mesmo ser (ou ser-se)». E esse seria um modo da arte contribuir para mudar o mundo…

 

Guilherme d'Oliveira Martins

Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença