Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

DOIS TEATROS EM MONÇÃO

 

Já aqui invoquei o chamado Teatrinho do Palácio da Brejoeira, em Monção: destacando a sala de teatro que valorizou o, já em si mesmo notável Palácio. Recordei então a relevância deste acrescento dedicado às artes do espetáculo, o que, na altura o referi, não é muito habitual, no histórico da arquitetura e da sociedade portuguesa.

 

Recordei também que começou a ser construído em 1806 e dado como concluído em 1834 segundo projeto inicial de um arquiteto com projeção na época, de seu nome Carlos Amarante. E referi que se processou como que uma conciliação estilística do tardo-barroco comum na época com uma expressão romântica, valorizada no jardim e nas evocações históricas que em conjunto, desde o lago a uma torre gótica e ao recurso ao estilo inglês.

 

Evoquei nesse texto a intervenção de Ventura Terra, a quem se deve o Teatrinho, mas também não poucos teatros (e não teatrinhos...) por esse país fora: deste logo o Teatro de Esposende, o Salão Nobre do Teatro de São Carlos, o Teatro e Cinema Politeama, que é referido com encómios por José Augusto França, que aliás ao Arquiteto dedica extenso estudo:

 

“O Politeama, em Lisboa, construído em 1912-13, com o seu amplo espaço interior e a fantasia decorativa do janelão do 1º andar foi a melhor obra do género neste período, bem inscrita dos trabalhos de Ventura Terra” (cfr. “A Arte em Portugal no Século XIX” volume II 1966 pág.78).

 

E José Augusto França refere também o Palácio de Brejoeira com expressões de encómio: “o último grande solar fidalgo português (…) curiosa construção de carater híbrido” salientando “a importância do seu portal setecentista, a vastidão das suas fachadas em L, já viradas para Oitocentos”. Cita designadamente “o pequeno e elegante teatro” instalado em meados do século passado. (ob. cit. volume I pág. 182).

 

O Teatrinho, com cerca de 50 lugares em suave declive, além de mostrar os interesses culturais dos proprietários, revela uma harmonia e uma ambiência que se concilia com a funcionalidade do palco, não obstante as reduzidas dimensões da sala.”

 

Tudo isto foi escrito e aqui publicado na perspetiva do património de teatro e de espetáculo pelo país fora... E justamente, no que se refere ao Monção, é agora oportuno evocar o Cine-Teatro João Verde.

 

Trata-se agora de um exemplar característico da geração dos cineteatros de meados do século passado. Projetado pelo arquiteto José Esteves, foi construído e inaugurado em 1949, numa fase de atividade descentralizadora, digamos assim, das atividades de espetáculo por todo o país. Com uma lotação inicial de cerca de 300 lugares, marcou pela estrutura interna, aliás comum na época, mas aqui com indiscutível qualidade: e desde logo, pela fachada, que prefigura como uma torre, o que de certo modo concilia a modernidade com a tradição urbana regional.

 

E a sala propriamente dita segue também esse conceito de modernidade epocal com a capacidade de exploração, conciliando o moderno com o tradicional. O projeto é dominado por uma torre e comporta uma estrutura interna de plateia, balcão e até alguns camarotes.

 

Só que, no inicio dos anos 80, os proprietários resolvem demoli-lo. Valeu então a Câmara Municipal de Monção, que adquire o Cine-Teatro que em boa hora se mantém em atividade.

 

DUARTE IVO CRUZ

TEATRINHO DO PALÁCIO DA BREJOEIRA


Referimos hoje o chamado Teatrinho do Palácio da Brejoeira, em Monção: e desde logo se destaca a denominação, que vem da transição dos séculos XIX/XX. Trata-se efetivamente de uma pequena sala de teatro que valorizou o já em si mesmo notável Palácio da Brejoeira. E desde logo também se assinale que é relevante, para além da imponência e qualidade do Palácio, ter-se incluído, na vastidão imponente do edifício, uma pequena mas belíssima sala de espetáculos, o que, reconheçamo-lo não é muito habitual, no histórico da arquitetura e da sociedade portuguesa.

 

Importa então ter presente o circunstancialismo deste pequeno teatro.

 

O Palácio inicia o processo da de construção em 1806: é dado como concluído em 1834. Projeto do arquiteto Carlos Amarante, excelente na qualidade, assume uma conciliação estilística do tardo-barroco comum na época com uma expressão  romântica, valorizada no jardim e nas evocações históricas que o singularizam - desde o lago a uma torre gótica e ao recurso ao estilo inglês.

 

A tradição familiar solarenga é entretanto interrompida em 1901, quando o Palácio é adquirido pelo Presidente da então Associação Comercial Portuense Pedro de Araújo. E como noutro lado escrevi, pode-se fazer uma comparação com edifícios que na época marcaram: por exemplo o Palácio da Bolsa do Porto, este num revivalismo árabe que aliás a Brejoeira não assume, mas, em qualquer caso, recorrente também na época e no meio empresarial de então.

 

Importa salientar agora a intervenção de Ventura Terra, a quem se deve este Teatrinho, mas não só: o chamado Salão Nobre do Teatro de São Carlos, o Teatro e Cinema Politeama, o Teatro Clube de Esposende. E no que se refere ao Politeama, cite-se José Augusto França, que aliás ao Arquiteto dedica extenso estudo:

 

“O Politeama, em Lisboa, construído em 1912-13, com o seu amplo espaço interior e a fantasia decorativa do janelão do 1º andar foi a melhor obra do género neste período, bem inscrita dos trabalhos de Ventura Terra” (cfr. ”A Arte em Portugal no Século XIX” volume  II 1966 pág.78).

 

E José Augusto França refere também o Palácio de Brejoeira com expressões de encómio: “o último grande solar fidalgo português (…) curiosa construção de carater híbrido” salientando “a importância do seu portal setecentista, a vastidão das suas fachadas em L, já viradas para Oitocentos”. Cita designadamente “o pequeno e elegante teatro” instalado em meados do século passado. (ob. cit. volume I pág. 182).

 

O Teatrinho, com cerca de 50 lugares em suave declive, além de mostrar os interesses culturais dos proprietários, revela uma harmonia e uma ambiência que se concilia com a funcionalidade do palco, não obstante as reduzidas dimensões da sala.

 

Singulariza-se e singulariza, da melhor maneira, o Palácio em que está integrado.

 

DUARTE IVO CRUZ