Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ARMANDO SILVA CARVALHO

  


VAZIO NO MEIO DO MAR


Quem ama o tempo como eu nesta manhã de ruídos

que se afastam de mim e me fazem sentir
vazio no meio do mar?
Quem devora este ar tão benfazejo à boca
e ao replicar das ondas
nos ouvidos como sinos de água?


Um tempo que se curva,

com o início nos joelhos dobrados na infância,
na mãe obsessiva,
e vem,
como de onda em onda,
transportando as dores, até este rochedo
que me suga os anos
e morde, devagar, a memória
da vida.


in De Amore, 2012


EMPTY AT SEA


Who loves time like I do this clamouring morning

that moves away and makes me feel
empty at sea?
Who devours this breath of air so mouth soothing,
so wave-like,
water bells to my ears?


A bowing time,

childhood bent knees,
before the obsessive mother,
unfolding,
wave after wave,
carrying sorrow up to this rock
that sucks in my years
and bites, slowly, the memory
of life.


© Translated by Ana Hudson, 2014

in Poems from the Portuguese

 

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ANTÓNIO FRANCO ALEXANDRE

  


Vi Roma a arder

Vi Roma a arder, e neros vários
bronzeados à luz da califórnia
guardar em naftalina nos armários
timidamente, a lira babilónia;
as capitais da terra, uma a uma,
desfeitas em nuvem e negra espuma,
atingidas de noite no seu centro;
mas nunca vi paris contigo dentro.
E falta-me esta imagem para ter
inteiro o álbum que me coube em sorte
como um cinema onde passava «a morte»;
solene imperador, abrindo o manto
onde ocultei a cólera e o pranto,
falta-me ver paris contigo dentro.


I saw Rome burning

I saw Rome burning, and several neros
tanned by the californian light
timidly stashing away in closets
mothballs and babylonian lyres;
the world's capitals, one by one,
darkened into froth and cloud,
crushed in their core at night;
but i never saw paris with you inside.
And this is the missing image
in my fate-allotted photo album
like a cinema showing certain ‘death’;
solemn emperor, opening the shroud
in which I hid my anger and my plight,
I’ve yet to see paris with you inside.


© Translated by Ana Hudson, 2013
in Poems from the Portuguese

 

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ANTÓNIO CARLOS CORTEZ

  


A palavra eu acredito nela…


A palavra eu acredito nela
Na sua pedra rugosa na sua superfície
De astro inominável como o fogo
A palavra eu acredito na sua sombra
Na sua medida singular
Na sua circunferência exacta quando arde
Na vida com seus animais urbanos
Evolando-se os animais no verbo escuro
Acreditar no infinitivo lodo do seu jogo
E não permanecer na sua cegueira incerta
A poesia quando se rende ao real literal
Ausente da vida que a perfura
A palavra eu acredito nela e na sua luz secreta
Entre o seu fazer e o ser dita na leitura


in A Sombra no Limite, 2004


I believe in the word...


I believe in the word
Its rugged stone its surface
Star as unnamable as fire
I believe in its shadow
Its singular measure
Its exact circumference as it burns
In life with its urban animals
Animals vanishing in the verb’s darkness
To believe in the infinite swamp of its sport
And not dwell in uncertain blindness
Poetry surrendering to literal reality
Absent from the piercing life
I believe the word, its secret light
Between its making and its telling as it is read


© Translated by Ana Hudson, 2011
in Poems from the Portuguese 

 

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ANA MARQUES GASTÃO

  


«Sê lenha»


Enquanto a faca corta o alimento,
a boca atrasa o corte, o paladar,
a sorte, a criança devora o que tens
e a vontade pede-te: «sê lenha».
Anda, suporta teu corpo de ferida
cicatriz ou nome, és esqueleto bravio
carne e voragem, sino que ressoa,
te ensurdece e desmorona.


Do mar, a terra, da terra a água,
do fogo, o ar, só é exterior o interior
que se evapora em solução iodada
e te abafa no fumo metálico e molda
uma sombra, o ombro, a mão. Mas olha,
vê, escuta o som impaciente da lenha
afundada no sal, conta a história,
repete a única história que te faz viver.


in Adornos, 2011


«Be firewood»


While the knife cuts the food
the mouth delays the cut, the taste,
the chance, the child devours what you’ve got
and your will demands: ‘be firewood’.
Go on, carry your body with wound
scar or name, you are wild bone
flesh and hunger, a tolling bell
that deafens and flattens you.


From the sea, the earth, from the earth the water,
from the fire, the air, only the internal is external
dissolving into an iodine solution,
stifling you in the metallic smoke and shaping
a shadow, the shoulder, the hand. But look,
see, listen to the impatient sound of the firewood
sunk into salt, tell the story,
tell again the only story that makes you live.


© Translated by Ana Hudson, 2010
in Poems from the Portuguese 

 

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ANA LUÍSA AMARAL

  


Uma botânica da paz: visitação


Tenho uma flor
de que não sei o nome


Na varanda,

em perfume comum
de outros aromas:
hibisco, uma roseira,
um pé de lúcia-lima


Mas estes são prodígios

para outra manhã:
é que esta flor
gerou folhas de verde
assombramento,
minúsculas e leves


Não a ameaçam bombas

nem românticos ventos,
nem mísseis, ou tornados,
nem ela sabe, embora esteja perto,
do sal em desavesso
que o mar traz


E o céu azul de Outono

a fingir Verão
é, para ela, bênção,
como a pequena água que lhe dou


Deve ser isto

uma espécie de paz:


um segredo botânico

da luz


in Entre Dois Rios e Outras Noites, 2007


Botanics of peace: visitation


I have a flower

whose name I don’t know


On the balcony,

its scent blends
with other smells:
hibiscus, rose,
a sprig of verbena


But they will be prodigies

of another morning:
for this flower
has bred leaves of astonishing
green,
minute and subtle


Bombs do not threaten it

nor do romantic winds,
missiles or tornados,
neither does it know, although so near,
of the jeopardy the salt
sea air will bring


And the blue autumn sky

disguised as summer
gives it such blessing,
as does the little water that I pour


And this must be

a sort of peace:


a botanical secret

of light


© Translated by Ana Hudson, 2010
in Poems from the Portuguese 

 

 

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ANA HATHERLY

  


CASAMENTO DO CÉU E DA GUERRA


Não, meu caro Blake

Esta não é, como a tua
Uma guerra mental
Para as cósmicas acrobacias
Que atravessam o fogo
Das tuas fantasias


A acção heróica

Que outrora seduzia
Agora é um puro teste
E o campo de batalha
Visto de longe
de cima
de muito alto
É pura geometria
No rectângulo do scanner


As novas armas que cruzam nossos céus

Caem sobre a terra
Distraidamente
Errando o alvo
Enquanto os corpos desencarnam
À sombra das destruídas pontes da lembrança


Que queres de nós, Doctor Clash?

Que nos dizes lá do alto?


Um cruel pai nos entrega a este conúbio

Atirando a bola
Para o campo do adversário
Onde o árbitro já foi despedido
E vestido de preto
É uma mosquinha
No imenso campo
Verde
Porque a teimosa relva
Continua a crescer
para ser pisada
para ser esmagada
Porque esse é o seu cruel programa


Do céu

Donde sempre nos veio
O fogo e a água
Continua a vir
O sustento da morte


in Itinerários, 2003


MARRIAGE OF HEAVEN AND WAR


No, my dear Blake

This is not, as yours was,
A mental war leading
To the cosmic acrobatics
Crossing the fire
Of your imagination


The heroic deed

So seductive of yore
Has become a pure test
And the battle field
Seen from afar
from above
from way up
Is pure geometry
In the screen of the scanner


The new weapons that cross our skies

Fall upon us
Absent-mindedly
Missing the target
While the bodies disembody
Under the shadowy bridges of remembrance


What do you want from us, Doctor Clash?

What say you to us from up there?


A cruel father delivers us to this wedding

Kicking the ball
To the field of the enemy
Where the referee having been fired
Dressed in black
Looks like a tiny fly
In the huge field
Green
Because the stubborn grass
Continues to grow
to be trampled on
to be squashed
Because that is its cruel program


From the sky

Whence fire and water
Were always bestowed upon us
Keeps coming
The sustenance of death

 

© Translated by Ana Hudson, 2010
in Poems from the Portuguese 

 

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE ALBERTO PIMENTA

  


tornei a sonhar com o homem

tornei a sonhar com o homem
que se debruça sobre ti
mete as mãos 
na tua vagina
tacteia empurra segue sobe
chega ao teu coração
arranca-o com as unhas
trá-lo para fora com um fio de pesca
embrulha-o num pano
afasta-se com ele
o sangue não pára
tu ficas a ponto de morrer
com muito estertor
mas não morres

tens razão
eu não conseguiria
satisfazer-te tão intensamente
como o homem dos teus sonhos


again i dreamt of the man

again i dreamt of the man
who bends over you
his hands
in your vagina
he touches pushes presses on upwards
reaches your heart
with his nails rips it out
pulls it with a fishing line
wraps it in a cloth
takes it away
the blood doesn’t stop
you are nearly dead
gasping
but you don’t die

you are right
i wouldn’t be able
to satisfy you as intensely
as the man of your dreams

 


© Translated by Ana Hudson, 2012
in Poems from the Portuguese