Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A VIDA DOS LIVROS

 

De 7 a 13 de maio de 2018

 

«Os Portugueses – De Onde Vimos, o que Somos, para onde Vamos» de Manuel Sobrinho Simões (Gradiva, 2017) é uma reflexão que merece leitura atenta, revelando agudeza de espírito, oportunidade e lucidez.

 

 

ESPÍRITO DE EQUIPA
Nunca esquecerei a genuína admiração, eu direi mesmo, gratidão, que encontrei no Hospital Central de Maputo em resultado da cooperação realizada na capital moçambicana com a Fundação Calouste Gulbenkian, graças ao empenhamento pessoal de Manuel Sobrinho Simões, envolvendo o IPATIMUP (Instituto de Patolologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto). Trata-se da demonstração da importância da entreajuda, do diálogo, do intercâmbio e do espírito de equipa quando falamos do mundo da ciência e do conhecimento. E quando falamos com o Professor Sobrinho Simões notamos nos seus olhos o brilho especial do entusiasmo na procura e na descoberta, no encontro e na aventura criativa. Por isso mesmo falei de gratidão por parte de toda a equipa daquele «hospital de campanha» de Moçambique, a precisar como todos os projetos verdadeiramente humanos de um esforço constante, generoso, rigoroso, persistente e sem descanso das diferentes valências numa instituição que contribui com dificuldades e dramas para que a ciência possa ser posta ao serviço da vida e de todos. Que é o humanismo senão uma confluência fecunda de fatores e vontades? Mesmo quando o cientista nos dá informação sobre os progressos extraordinários alcançados, põe-nos de sobreaviso perante os novos desafios. Afinal, se estamos a controlar melhor determinadas doenças, há bem pouco consideradas invencíveis, não podendo esquecer que, ao aumentar a esperança média de vida, vemo-nos confrontados com a necessidade de garantir a qualidade de vida para as pessoas que sobrevivem e que nos países mais desenvolvidos vão atingir em breve os 100 ou 120 anos de esperança de vida. Há pouco mais de um século a falta de antibióticos, a mortalidade infantil, a ausência de higiene ou a falta de conhecimentos científicos deixava nos 40 anos a esperança média de vida nos países mais desenvolvidos. Hoje ultrapassámos os 80 anos de idade – mas a grande questão é saber como lidar com o envelhecimento e com a falta de sustentabilidade dos sistemas de segurança social. Fala-se de eutanásia, porque vivemos uma sociedade envelhecida, sem respostas para as novas circunstâncias decorrentes dos avanços científicos. O caso do Hospital Central do Maputo é muito diferente da situação dos países europeus, mas essa extraordinária cooperação está a contribuir não só para dar passos positivos naquele país irmão, mas também por estarmos a progredir globalmente em contacto com situações de emergência e de dificuldade extrema. 

 

A ADMIRAÇÃO PELA INTELIGÊNCIA
Numa entrevista a Anabela Mota Ribeiro, o homem de ciência põe os pontos no ii: «Uma pessoa inteligente é uma pessoa com quem aprendo quando estou a falar com ela. Tenho pouco tempo. Se tiver que identificar o meu grande problema, hoje, é o tempo. (…) Aqui, a inteligência não é num registo de avaliação de quociente de inteligência, é num registo da pessoa que mostra ao outro que há outras realidades, outras formas de ver o mundo, outras formas de se comportar perante o mundo. Para mim, isso é aprendizagem. Tenho uma curiosidade brutal. Pela televisão, pela literatura... Se soubesse mexer no computador, teria uma curiosidade brutal pela informação. (…) O problema maior da nossa cultura científica é a explosão dos conhecimentos. Realmente o genoma e os seus sucedâneos rebentaram com isto tudo... A minha aspiração máxima é aprender aos bocadinhos». De facto, é a aprendizagem que constitui a chave do desenvolvimento. Impõe-se transformar a informação em conhecimento, e garantir que esse conhecimento se traduza em sabedoria. De novo vem à baila a afirmação de T. S. Eliot, já várias vezes aqui lembrada. E é assim que encontramos a chave de uma cultura humanista – que articula necessariamente a educação, a ciência e a cultura como criação. Não esquecemos os extraordinários avanços das neurociências, que ligam incindivelmente o processo criativo do cientista e do poeta, do músico e do artesão, do matemático ou do jurista, do pintor ou do engenheiro, do escultor ou do arquiteto…

 

HUMANISMO VIVO
Rita Levi Montalcini demonstrou a importância crucial dessa visão humanista, através da sua vida longa, feita desde a resistência num campo de concentração até às descobertas fantásticas sobre as sinapses cerebrais. No fundo, trata-se de compreender que temos sempre de partir da imperfeição (Eduardo Lourenço usa a expressão fantástica de “maravilhosa imperfeição”) para a perfectibilidade, que pressupõe o exemplo, o cuidado e a atenção. E, num momento de imediatismos, temos de valorizar o tempo e a reflexão – chaves essenciais no mundo da ciência, mas também na vida social e política. Ora, Manuel Sobrinho Simões é um excelente exemplo para os dias de hoje do homem de ciência que nos obriga a todos a pensar e a assumir a liberdade e a responsabilidade. Ainda na referida entrevista, afirma: «Os filhos, os discípulos, são muito mais importantes que a obra. É um legado. Vivi toda a minha vida para criar condições de desenvolvimento das pessoas que, ou nasceram comigo, ou vivem comigo, ou trabalham comigo. Não sei porquê. O sucesso de um miúdo meu, seja filho, seja discípulo, seja colaborador, deixa-me muito realizado». Eis a valorização do essencial, as relações pessoais, o progresso como uma evolução em que vamos, de geração em geração, transmitindo conhecimento e sabedoria. E neste ponto chegamos à reflexão de Manuel Sobrinho Simões sobre a preocupante falta de instituições com que nos deparamos, um pouco por toda a parte. A demagogia, o populismo e o chauvinismo são o resultado desse vazio de instituições e dessa ausência humanismo – pelo culto de valores abstratos, mas como enraizamento social da responsabilidade e da partilha. E fala com entusiasmo do IPATIMUP: «A instituição tem um aspeto muito interessante que é estar num segmento de partilha. As pessoas aqui têm amor à camisola e gostam disto. Mas não é pelo aspeto simbólico. É porque o pertencer a isto é uma chancela de que a pessoa é capaz e está a fazer coisas». Falar com Manuel Sobrinho Simões é um prazer inaudito. Sente-se a proximidade humana e o conhecimento em estado puro, generoso e atento. O patologista torna-se antropólogo, o médico assume-se como alguém que fala da vida e das pessoas de carne osso, em vez de se reportar a teorias ou abstrações. Um dia falávamos de Alcácer do Sal, da forte incidência das sezões ou da malária para quem se encarregava da colheita do arroz… Falei-lhe da forte presença de africanos, mais resistentes à doença – e logo ali o mestre me falou de tudo aquilo que eu sabia, e do muito mais que ele conhecia desse tema e que devia acrescentar-se. O que encontramos tem a ver com o conhecimento, a curiosidade, a aplicação prática do que se sabe… Estamos no cerne do conhecimento e da vida, numa palavra, na essência da cultura. A ciência hoje precisa de todos, mais do que nunca – mas especialmente de quantos têm os olhos abertos para todos os sinais que podem tornar a vida melhor e a dignidade humana mais respeitada.

 

Guilherme d'Oliveira Martins
Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

Mia Couto.png

 

     Minha Princesa de mim:

 

Ocorre-me um trecho de uma entrevista de Mia Couto ao Jornal de Letras (?), não me recordo agora de quando, apenas leio a transcrição que anotei. Penso que falava dos frutos de Moçambique: A maior parte não tem nome em português. A maior parte dos animais também não. Os ingleses, nas suas ex-colónias, foram capazes de chegar até aí, e toda a fauna e toda a flora estão nomeadas em inglês. Eles tinham uma aproximação à natureza. Os portugueses não; diziam a "passarada" o "mato", a "bicharada" e pronto. Deves lembrar-te, Princesa, das vezes em que te falei da minha comichão epidérmica ao ouvir as lusas pronúncias "kivi" e "Havai", por exemplo, de nomes que ingleses haviam transcrito do original (kiwi ou quiúi, Hawai ou Haùaií) para a fonética da sua língua... E que nós, hoje, teimamos em pronunciar à "alemã"! Ignorantes de que também dizemos Molucas em vez de Malucas, quando nomeamos as ilhas cujo nome malaio indonésio foi corretamente transcrito para a fonética portuguesa, por portugueses, e mais tarde, a partir dessa, para a inglesa por ingleses, que escreveram Molucas para lerem Malucas. O nosso desentendimento com o rigor decorre da nossa educação: transmite-nos mais sentimento do que pensamento (os nossos debates públicos, sobretudo políticos, são exemplares dessa carência intelectual), mais desejos e fantasia do que capacidade de análise fria e espírito crítico. A tal diferença sergiana entre política de fixação e de transporte é muito mais profunda do que possa parecer: não foi, ou é, só perder oportunidades de criação local de riqueza, por indústria transformadora ou comércio sustentável, é quase repugnância por obra construtiva a longo prazo, é a pressão da mentalidade de um indigente para que a realização da riqueza, por altos que sejam os riscos, se faça rapidamente e em força. Os trunfos que elites portuguesas detiveram no século XVI foram desbaratados pela ganância de uma classe comerciante que não chegou à humildade de vindouros emigrantes, desses que, sobretudo nossos contemporâneos, foram lá para fora aprender o que é trabalho organizado e produtivo e a realizá-lo por conta própria. Destes, pouco ou nada falam os nossos intelectuais, que insistem em repetir o que os nossos humanistas da Renascença espalhavam pela Europa culta e curiosa sobre os inauditos feitos dos portugueses de então, em textos e traduções latinas, o latim sendo a língua franca da ciência daquele tempo...

 

   Tenho à minha frente um texto curioso, redigido por um tal Zinadim (não o Zidane, que também se chama Zinadim, mas é cidadão francês de origem argelina e, em pleno século XXI, treinador do Real Madrid, da equipa de futebol cuja estrela polar é o português CR7...), este Zinadim a que me refiro foi um árabe do Malabar, ali vivo e ativo no século XVI. Esse texto, de que apenas transcrevo alguns trechos, foi traduzido do árabe e publicado sob o título de História dos Portugueses no Malabar, por um tal David Lopes, em Lisboa, em 1899:

   Em nome de Deus, o Piedoso e Misericordioso!

   Os muçulmanos no Malabar viviam no bem estar e comodidade da vida graças à brandura dos príncipes do país, ao respeito dos seus antigos usos e à amenidade do seu trato. Eles, porém, esqueceram o benefício, pecaram e revoltaram-se contra Deus. Por isso, pois, Deus mandou-lhes como senhores os Portugueses, franges cristãos - queira Ele abandoná-los! - que os tiranizaram, corromperam e praticaram contra eles atos ignóbeis e infames. Eram sem conta as violências, o desdém, o escárnio, quando os obrigavam a trabalhar; punham as suas embarcações a seco; lançavam-lhes lama ao rosto e ao resto do corpo, e escarravam-lhes; despojavam-nos no seu tráfego, impediam sobretudo a sua peregrinação [a Meca], roubavam-nos, queimavam as suas cidades e mesquitas, a apresavam-lhes os navios, maltratavam o seu Livro Santo e os livros, pisando-os e queimando-os; profanavam os recintos sagrados das mesquitas; incitavam os muçulmanos à apostasia e à adoração da cruz, peitando-os para tal; enfeitavam suas mulheres com as joias e os ricos vestidos arrancados às mulheres dos muçulmanos; assassinavam os peregrinos e os demais muçulmanos com toda a espécie de violentações; insultavam o Apóstolo de Deus publicamente; cativavam os muçulmanos e aos cativos punham pesadas cadeias [...] Quantas mulheres de distinção eles cativaram e violaram até terem delas filhos cristãos, inimigos da fé de Deus e danosos dos muçulmanos! Quantos senhores, homens de ciência e principais cativaram e violentaram até que os mataram! Quantos muçulmanos e muçulmanas eles converteram ao cristianismo! E muitos outros atos semelhantes eles cometeram, tão afrontosos e ignóbeis que a língua se cansa a narrá-los, e tem repugnância em pô-los a claro: queira Deus, glorioso e omnipotente puni-los!

 

O nosso padre António Vieira escreve algures:

Se não tivessem ido os comerciantes em busca de tesouros terrenos na Índia Oriental e Ocidental, quem teria então transportado os pregadores que levavam consigo os tesouros celestiais? Os pregadores levaram o Evangelho e os comerciantes levaram os pregadores. 

Cita este trecho da História do Futuro de Vieira o professor Charles Boxer, no seu The Portuguese Seaborne Empire - 1415-1825, mais precisamente a abrir o capítulo III (Converts and Clergy in Monsoon Asia - 1500-1600), na página 65 da edição que possuo (Hutchinson & Co, Londres, 1969). Mas antes dessa transcrição, Boxer refere que the importance of Japanese silver, Chinese silks, Indonesian spices, Persian horses, and Indian pepper in Portuguese Asia should not obscure the fact that God was omnipresente as well as Mammon. E logo a seguir à citação do jesuíta, continua (traduzo do inglês): Se o comércio seguiu a bandeira no império britânico, o missionário vinha mesmo atrás do mercador no império português. Admite-se geralmente que se os homens de Vasco da Gama disseram que tinham vindo à Índia em busca de cristãos e especiarias, a procura destas foi feita com muito mais vigor do que o posto em cuidar de achar os outros durante as primeiras quatro décadas da atividade portuguesa no Oriente. A alusão a Vasco da Gama refere-se, penso eu, Princesa, a um episódio relatado no Diário de Álvaro Velho, aquando da chegada do Gama a Calecute. Vale a pena relê-lo, sobretudo como aqui te lo deixo no contexto em que Sanjay Subrahmanyam o apresenta no capítulo III do seu O Império Asiático Português, 1500-1700. Digo-te isto, minha Princesa de mim, por me parecer que a livre abertura das nossas interpretações ao critério e análise de outros nos ajudará certamente a melhor entender como a complexa realidade das coisas se pode disfarçar - ou descobrir - pela contraposição de pontos de vista e pelas intenções que os inspiram...

 

Começa assim esse capítulo, intitulado Dois Modelos e a sua Lógica: a Criação de um Império, 1498-1540 (na versão portuguesa da DIFEL, Lisboa, 1995): A chegada dos portugueses à Ásia em 1498 não passou despercebida nas obras asiáticas de História de então. Um dos trabalhos mais pormenorizados dedicado às suas atividades é uma crónica árabe Tuhfat al-Mujahidin (ou "Dádiva aos Guerreiros Santos"), escrita nos finais da década de 70 por um tal Zaid al-Din Ma´bari, [o mesmo Zinadim que te citei], que pretendia glorificar os feitos dos adversários muçulmanos dos Portugueses na Ásia. Mas Zain al-Din queria igualmente elaborar um argumento teórico, justificando a guerra contra os Portugueses e demonstrando como estes haviam desrespeitado os modelos de comportamento […] Zain al-Din escreveu quase três quartos de século depois da chegada dos Portugueses à costa do Malabar, no sudoeste da Península Indiana. Uma vez que escreveu a posteriori não se pode julgar a sua visão como representativa da reação espontânea das elites islâmicas locais para com os recém chegados. É de facto o primeiro a sugerir que os muçulmanos do Malabar (os chamados Mapilas) «pecaram e desobedeceram-lhe [a Deus]. Então, Ele mandou-lhes como senhores um povo frangue, os Portugueses - queira Deus abandoná-los! - que os oprimiram, vexaram e hostilizaram com toda a sorte de opressões e vexames!» [Subrahmanyam também retoma aqui a tradução de Zinadim ou Zain al-Din, editada por David Lopes, em Lisboa, 1899]. E, adiante, comenta:

   Como visão dos factos, Zain al-Din é, de um modo perturbante, próximo de alguns dos primeiros textos portugueses respeitantes aos seus feitos na Ásia. O conceito de guerra santa está tão presente nestes últimos como na "Dádiva aos Guerreiros Santos" daquele. Subrahmanyam realça e sublinha que a cronologia e geografia dos factos imputáveis aos recém chegados portugueses é corretamente notada por Zinadim, designadamente o despoletamento da "Guerra Santa" logo desde o final da segunda viagem: As hostilidades entre os recém chegados e os "mouros" não foram porém indiscriminadas: os Portugueses faziam agora uma cuidada distinção entre os mouros da terra e os mouros de Meca (ou seja, do Médio Oriente); viam nestes últimos os seus principais inimigos, mais do que aqueles. Tal distinção havia, porém, resultado de uma árdua aprendizagem. Mau grado os intensos contactos que a Europa medieval mantivera com o Índico, a primeira expedição de Vasco da Gama foi levada a cabo sob uma ignorância considerável acerca da geografia religiosa, política e económica da Ásia e da África Oriental... Mas, paulatinamente e porque a "experiência é madre de todas as cousas", como nos lembrou Duarte Pacheco Pereira, lá se foram adquirindo novos conhecimentos e perspetivas...

 

Deixo mais desenvolvimentos para próxima carta, em que te falarei também do Tratado das Cousas da China, do dominicano frei Gaspar da Cruz, impresso em Évora por André de Burgos, em 1569/70, e primeira obra sobre a China a ser publicada na Europa. Trabalho pioneiro.

 

 

     Camilo Maria 

  

 

Camilo Martins de Oliveira

 

 

 

CEUTA – 600 ANOS DEPOIS…

Untitled.jpg

Os portugueses fundearam em Ceuta a 21 de agosto de 1415 e no dia seguinte a cidade ostentava na torre de menagem as quinas e os castelos. Eis a data que marca a presença dos portugueses fora da Europa.

Ceuta foi o primeiro destino. D. João I, de Boa Memória, e seus filhos, a Ínclita Geração, os Altos Infantes (na feliz expressão camoniana), concretizam a tomada do porto dos dois mares, na entrada do Mediterrâneo. Discutem-se as razões. Há um argumento cavalheiresco e de cruzada, que significa estarmos na transição da Idade Média para um novo tempo, com reminiscências antigas ainda presentes. Não foi Aljubarrota o fim da nossa era medieval? Há certamente razões económicas para a conquista – o reino de Portugal estava depauperado, em gentes e riquezas, pela Peste e pela quebra na produção. Faltava pão e ouro. De facto, não houve uma só ordem de razões, houve uma soma de fatores – políticos, sociais, económicos, religiosos. E se Ceuta não trouxe os benefícios que dela se esperava, o certo é que representou uma posição importante, que serviu de base à empresa das Descobertas. Luís Filipe Thomaz fala-nos de três fatores para a expansão: a necessidade de uma reconversão social que assegurasse a sobrevivência de uma nobreza em crise, porque fragmentada e limitada pela burguesia em ascensão (reforçada em 1383-85) e por uma realeza com um poder crescente; a necessidade de abertura de rotas comerciais que permitisse a criação de riqueza e garantisse liquidez para sustentar a posse do património de bens imóveis; e uma política de afirmação de um Estado nacional forte que, recém-saído da crise dinástica e dirigido por um conjunto de governantes de horizontes abertos, procura evitar o cerco ou a absorção por um vizinho poderoso (Castela) e garantir a paz interna, aliviando tensões sociais e transferindo a conflitualidade para o exterior. Ceuta não acompanhará a Restauração portuguesa de 1640 e será integrada formalmente na coroa espanhola em 1668, mantendo, no entanto, a bandeira antiga que é idêntica à de Lisboa com as armas de Portugal ao centro. Apesar de D. Pedro ter dito que Ceuta era um «grande sorvedouro de gente e de dinheiro», o certo é que foi na estratégia da expansão portuguesa um importante eixo de ação.