Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICAS PLURICULTURAIS

 

72. A CULTURA E O QUESTIONAMENTO PERMANENTE DA REALIDADE


É um lugar comum questionar como foi possível o nazismo florir num país como a Alemanha, pátria de filósofos, compositores, escritores, cientistas, intelectuais, artistas e pensadores de vanguarda, num território tido como culto e exemplo, à data, de uma nação civilizada.
Sabemos bem, a começar pela História, que nem a educação, o saber ou o conhecimento intelectual nos oferecem qualquer garantia de um juízo moral ou de uma ética melhor.
A desumana tirania das ideias sempre teve o apoio de intelectuais e de pessoas da cultura.    
Ditadores e regimes totalitários sempre tiveram muitos admiradores e simpatizantes intelectuais e das artes em geral.
Alguns desses mentores legitimaram e institucionalizaram a violência terrorista.
Legitimaram e fomentaram a prática de crimes contra a humanidade.
O mundo pode ser modificado pela força do intelecto, para o bem e para o mal.
Mas é a cultura que nos permite distinguir entre a barbárie e a civilização.  
Foi a cultura que nos permitiu compreender a distinguir a barbárie dos totalitarismos.
Só uma cultura enquanto questionamento constante e permanente da realidade nos liberta.
Só uma cultura essencialmente crítica permite distinguir tiranos, ideias, doutrinas e regimes totalitários da democracia baseada no espírito crítico.  
É esse espírito e sentido crítico   que nos pode libertar da ameaça de uma ditadura tecnológica, num mundo de cidadãos convertidos em autómatos, ou numa mera cultura de entretenimento e diversão.     
Se é verdade que graças à força das ideias se pode criar um mundo melhor, pondo de lado despotismos e tiranias em desfavor da pessoa e dos direitos humanos, também é verdade que o desaparecimento da cultura enquanto questionamento permanente da realidade é o melhor amigo de utopias fraudulentas sempre prontas a suprimir a verdade pela causa da pretensa verdade maior que defendem.  

30.04.2021
Joaquim Miguel de Morgado Patrício

CRÓNICAS PLURICULTURAIS

Vasarely

 

14. A ANTECIPAÇÃO MENTAL DA PROCURA E A SUA REALIDADE

 

Não se encontra o que se procura, mas o que se encontra.

 

Não encontro o que procuro, mas o que encontro.

 

Não encontramos o que procuramos, mas o que encontramos.

 

Mas é usual dizer que só encontramos o que procuramos.


Qual a relação entre a antecipação mental da procura e a sua realidade?

 

Entre a imaginação e a realidade?

 

Entre a realidade imaginada, mental, espiritual e a realidade física, material, real?

 

Entre o modo como imaginamos uma pessoa e o que acontece quando a conhecemos na realidade?

 

Entre o modo como imaginamos um lugar e o que sucede quando lá chegamos?

 

Entre o modo como imaginamos uma coisa e quando temos contacto com ela?


A realidade é diferente daquilo que antecipamos mentalmente.

 

Não se encontra aquilo que se procura, mas o que se encontra.

 

O que pressupõe estarmos abertos, totalmente disponíveis para a descoberta, a viagem, o desconhecido, o desconhecido conhecido, o conhecido desconhecido.

 

A antecipação da realidade tem uma linguagem própria.

 

A antecipação mental do real tenta suprir a realidade factual, se possível através da fotografia, vídeo, gravuras e impressos sobre coisas, pessoas e viagens, locais de chegada, partida e de passagem, tentando ser uma cópia fiel da realidade.

 

Ou ser como um sonho, se anteciparmos algo que nunca imaginámos e sem auxiliares como a fotografia, filme, ou similares, como numa viagem de total libertação dos sentidos, num imaginário total e libertador, como quem lê um livro exótico ou extravagante e antecipa e ficciona mentalmente algo que nunca viveu ou imaginou.

 

Esta antecipação mental da procura que não corresponde com a sua realidade, quando confrontados com esta, é um lado da vida, da nossa realidade humana.

 

É parte integrante do lado espiritual, imaterial, impalpável, que não se fotografa, nem filma, é uma liberdade de expressão e de pensamento universal, pessoal e intransmissível, libertária e que liberta.

 

Faz parte do lado mais importante da nossa vida.

 

04.09.2018

Joaquim Miguel de Morgado Patrício