Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICAS PLURICULTURAIS

  


120. VIOLAÇÃO DE PRIVACIDADE, EXPOSIÇÃO PÚBLICA, REDES SOCIAS


As redes sociais tornaram-se requeridas como objeto funcional e ícone social.


Assim se começou a reparar na confiabilidade acrescida daqueles que credibilizam situações de fotografar, filmar e gravar a nossa casa, o nosso automóvel, os nossos momentos de férias e de lazer. Ou uma parte desse todo, como uma pintura, uma escultura, um quarto, a piscina, o jardim, momentos íntimos em família, transferindo-os para o facebook ou o instagram, sem autorização.


Por vezes o intruso reage com surpresa, ao ser interpelado pelo dono, dado tê-lo feito porque gostou, tendo tal publicação como um elogio, um louvor, não tendo consciencializado ter havido violação da privacidade, quando não acompanhada de se ter feito passar, falsamente, pelo próprio proprietário. Além da violação da privacidade, há falsidade e uma mentira não assumida.


Ao invés, também há a exposição pública e pessoal, premeditada e consentida, partilhando a nossa casa, reuniões laborais, eventos familiares e públicos em diretos televisivos e pela internet, entrando em lares privados e lugares públicos restritos. Há menos privacidade, em tais situações, mas não violação de privacidade. Deixamos entrar estranhos na nossa privacidade, no que anteriormente nos era reservado.   


Essa exposição, para além de voluntária é, não raras vezes, elaborada, sendo comum que em entrevistas a pessoas tidas como respeitáveis, para além do requisito cénico da indumentária, haja também o da comunicação pública através de uma biblioteca pessoal com estantes onde estejam, bem visíveis, os livros certos, garantia de que são levadas a sério, ocultando-se os tidos como errados. E há o livro como ornamento, com lojas especializadas em decoração que disponibilizam falsas lombadas. 


Há, tantas vezes, uma cultura exibicionista nas redes sociais que faz perigar a nossa privacidade e intimidade, generalizando a coscuvilhice, a intriga e as falsas notícias, dando azo a uma geração educada para viver sem liberdade no seu espaço e sentido mais íntimo e privado, o que é lucrativo para empresas de comunicação, tecnológicas, seguradoras, bancos e um número infindável de entidades e instituições, como o fisco e o Estado, que em nome da segurança e da banalização permissiva da privacidade, se arrogam ter legitimidade para sermos cada vez mais vigiados e terem acesso a dados pessoais tantas vezes não exigíveis.


16.09.22
Joaquim M. M. Patrício

"LIKAI-VOS" UNS AOS OUTROS

 

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias e desabafam e os pais riem com eles e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

 

Vou constatando que, na sociedade da comunicação, há imensa incomunicação. Porque uma coisa é a comunicação formal instrumental e outra coisa é a comunicação na presença, com as suas emoções: a emoção da palavra nas suas tonalidades, o sorriso, as lágrimas, o toque, os silêncios...

 

Na era da comunicação, tanta gente só! Só, naquele sentido de sozinho e abandonado, não tendo ninguém com quem conversar, desabafar, dando e ouvindo uma palavra de conforto, de dúvida, de afago. Ao contrário da outra solidão, a exigida para construir uma obra, preparar um discurso, ler textos clássicos, daqueles que fundam a humanidade e lhe dão futuro, esta é uma solidão mortal. Há médicos de família que me dizem que muitos, concretamente pessoas idosas, os procuram apenas para isso: para terem alguém com quem trocar umas palavras e poderem exorcizar a solidão.

 

Também por isso, se eu fosse pároco, havia de pôr em marcha uma experiência que tive numa paróquia de Paris, quando era lá estudante. Havia uma “salle d’accueil” (sala de acolhimento), onde voluntários (médicos, psicólogos, mães e pais de família..., sempre com a indicação dos respectivos nomes e profissões) davam umas horas semanais de acolhimento às pessoas que vinham. A mim, que também constava, apareceu-me uma vez um senhor que me disse: “Só lhe peço o favor de me ouvir e que me não interrompa”, o que eu fiz. No fim de uma hora e tal, ele acabou e disse-me: “Não sabe quanto me ajudou, nunca o esquecerei”. E foi-se embora e eu não sei quem é, mas também me lembro dele.

 

A solidão pode até acontecer e acontece no meio do barulho ensurdecedor do tsunami da informação e das rajadas de opiniões e insultos e fake news, acoutados na cobardia da impunidade e do anonimato das redes sociais, que se tornaram frequentemente um campo de batalha de bárbaros, analfabetos e achistas...

 

A questão é, a um dado momento, a cisão entre a existência virtual e a existência real. Li, recentemente, num belo livro do jesuíta J. M. Rodríguez Olaizola, “Bailar con la soledad”, a história de José Ángel, um homem de Vigo, que vivia no meio do lixo, vítima da síndrome de Diógenes, que o levou a isolar-se da família, vizinhos e conhecidos.

 

mesmo assim, tinha uma vida activa e popular no Facebook, onde contava com 3.544 amigos e 361 seguidores, dando opiniões sobre a actualidade, desde a actualidade espanhola às questões do meio ambiente... Só passados vários dias é que uma mulher de Tenerife, a 1. 677 quilómetros de distância, estranhando um silêncio prolongado, deu pela sua falta e contactou a polícia, que, passado algum tempo, encontrou o corpo. Aí está o drama: a possibilidade de o mundo virtual se tornar o refúgio de gente só. Já Zygmunt Bauman, em “Amor líquido”, tinha prevenido com razão: “Parece que o sucesso fundamental da proximidade virtual é ter feito a diferença entre as comunicações e as relações. ‘Estar conectado’ é mais económico do que ‘estar relacionado’ mas também menos proveitoso na construção de vínculos e na sua conservação”.

 

Outra ameaça do virtual é a busca desenfreada da popularidade nas redes sociais, através da pressão de obter uma chusma de like e seguidores..., com as consequentes  ilusões e desilusões. Rodríguez Olaizola dá três exemplos.

 

Há pouco tempo, o cantor Ed Sheeran, um das artistas com mais êxito dos últimos anos, anunciou que abandonava a rede social Twitter, porque não aguentava a quantidade de comentários negativos que recebia de pessoas que não o conheciam mas o odiavam. “Um só comentário é suficiente para me estragar o dia”. Comenta o jesuíta: “A pressão amor-ódio  nas redes é demasiado exigente para muitos. Inclusive para quem é maioritariamente aceite.”

 

No outro extremo, em Novembro de 2015, a modelo Essena O’Neill, famosa pelas suas fotografias no Instagram, com centenas de milhares de seguidores e fabulosos contratos publicitários, anunciou que abandonava a rede. Não porque era rejeitada, mas por causa do excesso de aceitação: isso exigia-lhe demasiado tempo na preparação das fotos, no estudo das imagens... Declarou que tinha tomado consciência de que esse escaparate não era a vida real, mas tão-só uma ficção orientada para a aprovação,  para que chovessem os “like”... O preço, chegou a dizer, é “a tua vida e a tua auto-estima”.

 

A 20 de Setembro de 2017, uma conhecida influencer — assim se chama, como diz a palavra, quem, graças à sua relevância nas redes sociais, influencia, com as suas opiniões, imagens ou actividade, uma enorme quantidade de pessoas —, suicidou-se. Chamava-se Celia Fuentes. Pergunta-se: como é que se explica que uma jovem tão popular, com futuro e com uma vida aparentemente perfeita, tenha posto fim à vida? O jesuíta resume: “A ficção de uma vida ideal enquanto na vida real havia solidão e sensação de fracasso. A solidão de uma vida construída apenas para aparentar”. “Tudo é mentira”, foram as últimas palavras da jovem no seu WhatsApp.

 

Por isso, digo, a partir de um título que recebo de empréstimo da revista Philosophie magazine: “Likai-vos uns aos outros”, ponde muitos  like (gosto) uns aos outros. Mas tende cuidado!

 

Anselmo Borges

Padre e professor de Filosofia
Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN | 22 SET 2018