Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

LIVRES. PARA ONDE QUEREMOS IR?

  


Aparentemente, não há nada que o ser humano tanto preze como a liberdade. Mas, tendo de optar entre a segurança - intelectual, espiritual, social, política, religiosa... - e a liberdade, não se sabe quantos ficariam do lado da liberdade e não da segurança.


Dostoiévski disse-o de modo ácido e também sublime num texto em que também se critica a Igreja de Roma. Fá-lo em Os Irmãos Karamázov, no poema de Ivan com o nome "O Grande Inquisidor".


A história passa-se em Espanha, em Sevilha, nos tempos terríveis da Inquisição, precisamente no dia a seguir a um "magnificente auto-de-fé" em que foram queimados de uma assentada, na presença do rei, da corte, dos cardeais e das damas mais encantadoras da corte e da numerosa população de Sevilha, quase uma centena de hereges. Cristo "apareceu, devagarinho, sem querer dar nas vistas e... coisa estranha, toda a gente O reconhece." Mas o cardeal inquisidor aponta o dedo e manda que os guardas O prendam. E é num calabouço do Santo Ofício que lhe diz que no dia seguinte O queima na fogueira como ao pior dos hereges. E a razão é que a liberdade de fé tinha sido para Cristo a coisa mais preciosa. Não foi Ele que disse tantas vezes: "Quero tornar-vos livres?"


Cristo, afinal, não percebeu que "o Homem não tem preocupação mais torturante do que encontrar alguém em quem possa delegar o mais depressa possível a dádiva da sua liberdade." "Em vez de Te apoderares da liberdade das pessoas, acrescentaste ainda mais à sua liberdade!", diz-lhe o inquisidor. "Esqueceste-Te de que a tranquilidade e até a morte são mais queridas para o Homem do que a escolha livre do bem e do mal? Não há nada mais sedutor para o Homem do que a liberdade da sua consciência, mas também não há nada mais torturante." Assim, ao longo de quinze séculos, os hierarcas eclesiásticos corrigiram a façanha de Cristo, baseando-a em milagre, mistério e autoridade. Agora, todos sabem em que é que hão-de acreditar e o que é que hão-de fazer, sem terem de perguntar porquê nem de escolher. "E as pessoas ficaram contentes por serem de novo guiadas como um rebanho e por ter sido tirada dos seus corações a dádiva terrível que tanto sofrimento lhes causava."


Como única resposta o prisioneiro beijou-o, e o velho cardeal vai até à porta, abre-a e diz: "Vai-te embora e não voltes mais... não voltes... nunca, nunca!"


O ser humano angustia-se com a liberdade. Porque ser livre quer dizer ser senhor de si e dos seus actos e ter de escolher e ter de responder por si e pelo mundo e pelos outros. Ter de escolher é para o ser humano, que quer tudo e todos os caminhos, ter de escolher algo e um caminho só de cada vez e ter de renunciar a tantas outras possibilidades, sem poder ficar com tudo, na consciência disso. Ser livre quer dizer entrar na urgência de um projecto e poder falhar e, num tempo irreversível, que inexoravelmente caminha para a morte, nunca mais ter tempo para remediar, para refazer, para fazer outra coisa e um ser si mesmo outro: é tudo sempre pela primeira e última vez, sem ensaios...


A angústia da liberdade e da responsabilidade  e a busca falaz da segurança explicam a facilidade da entrega a poderes totalitários, a seitas cegas, a colonizadores de corpos e de almas, a vendedores de "verdades e certezas" tapadas e irracionais.


A liberdade é condição de possibilidade da ética. Mas até do ponto de vista da raiz etimológica grega - ethos com épsilon e ethos com eta, que significam, respectivamente, acção, costume, modo habitual de agir, e toca do animal, morada, casa - se diz que a questão ética é indissociável da pergunta pela nossa morada enquanto horizonte de sentido, pátria onde se quer habitar. Sim! Afinal, para onde queremos ir? Na presente situação de hecatombe político-moral no país e no mundo, para onde vamos sem uma conversão ética?


Ao contrário do animal, que vem ao mundo já feito e age no quadro de uma rede de instintos, o homem vem ao mundo praticamente desarmado de instintos e aberto a possibilidades sem conta e tendo de fazer-se a si mesmo no mundo com os outros. Pode escolher entre esta e aquela possibilidade, até tem a capacidade de não escolher, mas quem tenta escolher não escolher também escolhe. De qualquer modo, é capaz de erguer-se a si mesmo acima do simplesmente agradável ou útil e colocar-se no lugar do outro. Transcende os interesses particulares da natureza e enquanto ser racional dá a si mesmo de modo autónomo a lei moral universal que é a lei da liberdade. Kant formulou-a nestes termos: "Age segundo uma máxima que queiras ao mesmo tempo que se transforme em lei universal de acção", ou então: "Trata a humanidade em ti e nos outros sempre como fim e nunca como simples meio."


Sem capacidade moral e liberdade - a liberdade é a condição de possibilidade da moralidade e, consequentemente, da responsabilidade -, o Homem não seria digno de louvor nem estaria sujeito à censura, e não haveria distinção entre o bem e o mal. Como escreveu o filósofo Luc Ferry, "um materialismo consequente deveria limitar-se, sempre, a uma 'etologia', sem nunca falar de moral a não ser como uma ilusão mais ou menos necessária, fazendo parte do real mas, sem embargo, enganadora". Embora condicionado, só porque não é completamente subordinado nem guiado pela natureza é que o ser humano "pode cometer excessos, quer no mal (o ódio e a maldade) quer no bem (o amor e a generosidade)".


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 24 de fevereiro de 2024

JESUS: O PODER E A AUTORIDADE

  


Terminada a festa do Carnaval, os cristãos entram na Quaresma: quarenta dias de mais profunda meditação, de mais intensa conversão, de amor mais vivo e perfeito, em ordem a poder celebrar com mais dignidade a Páscoa do Senhor enquanto passagem da escravidão à liberdade, da morte à vida.


Logo na quarta-feira de cinzas, é dita a cada um, a cada uma, ao mesmo tempo que lhe é colocada cinza na cabeça em sinal de humildade e exigência de reflexão, aquela palavra de Jesus no início da sua pregação: "Convertei-vos e acreditai no Evangelho”, a Boa Nova, notícia boa e felicitante.


De modo significativo, no primeiro Domingo da Quaresma, lê-se a passagem do Evangelho referente às tentações de Jesus. Ora, é importante que se diga que as três tentações estão todas referidas ao poder: poder económico, poder político, poder religioso. Jesus, antes de iniciar a sua vida pública, foi para o deserto rezar, meditar, e tinha de decidir se queria ser um Messias político, do poder, ou um Messias do amor, do serviço. Foi por esta segunda alternativa que seguiu: "Eu não vim para ser servido, mas para servir", e servir até dar a vida.


Essencial: a única verdadeira tentação, segundo o Evangelho, é a do poder, no sentido da dominação. Evidentemente, em qualquer sociedade o poder é inevitável. Toda a questão consiste em saber como é que ele é exercido e com que finalidade. Quantos se lembram que Ministro, na sua etimologia, significa pura e simplesmente servente, aquele que serve? Primeiro-Ministro é o que está à frente no serviço. Jesus disse aos discípulos, portanto, também ao papa, bispos, cardeais, padres: "Sabeis que os chefes das nações governam-nas como seus senhores. Não seja assim entre vós; pelo contrário, quem quiser fazer-se grande entre vós seja vosso servo".


Jesus renunciou ao poder enquanto domínio, mas é referido frequentemente no Evangelho que ensinava com autoridade. A palavra autoridade vem do verbo latino augere, que significa aumentar. Ter autoridade tem, portanto, a ver com fazer crescer, aumentar no ser. Cá está: servir. O poder legitima-se enquanto serviço de fazer crescer na liberdade e na dignidade... Presidentes, ministros, bispos, jornalistas, pais, professores, padres, polícias... exercem legitimamente o poder enquanto autoridade, quando ele faz crescer... Assim, não são apenas os súbditos que devem obedecer. A palavra obediência também tem a sua origem no latim: obaudire, que significa ouvir. Então, os que têm poder são os primeiros a ter de obedecer, isto é, a ter de ouvir aqueles que precisam que lhes seja feita justiça, ouvir a própria consciência, ouvir o apelo de todos aqueles que clamam por mais liberdade e dignidade... Não há superiores e inferiores. Há apenas homens e mulheres iguais em dignidade. E alguns estão constituídos em poder, que devem exercer como serviço a essa dignidade inviolável.


É curioso: quando se fala em tentações, o que vem normalmente à ideia é a tentação da carne, isto é, a tentação do sexo... Ora, sintomaticamente, Jesus também foi tentado, mas nenhuma das tentações se refere ao sexo; as tentações estão todas em conexão com o poder, com o domínio. Neste contexto, tenha-se presente o velho debate entre Freud e Adler: enquanto, segundo Freud, a pulsão humana fundamental está referida à libido e essencialmente ao prazer sexual, para Adler, essa pulsão tem a ver essencialmente com a auto-afirmação, com a vontade de poder. Ora, neste diferendo, é bem possível que seja Adler quem tem mais razão. Afinal, pensando bem, a própria sexualidade só constitui desvio quando alguém é utilizado como meio de prazer, quando a pessoa é instrumentalizada e coisificada.


Não; a grande tentação da Igreja, ao longo da sua história, foi e é o poder. Talvez isso explique até porque é que, no catálogo dos pecados, o sexo teve não só o predomínio, mas parecia, inclusivamente, deter a exclusividade do pecaminoso: no fundo, aninhava-se aí o medo de que o prazer subvertesse o poder... A tentação do poder nas Igrejas é tanto mais perigosa e deletéria quanto pretendam controlar, aprisionar o Sagrado e o Divino. Escreveu, com razão, Miguel Baptista Pereira: "Perdido o sentido do Mistério, instala-se a 'indoutrinação' e a administração definitiva do Absoluto e consagra-se a intangibilidade dos seus burocratas, não fosse dilema humano o serviço do Mistério ou a vontade ilimitada de poder". A Inquisição, que pode sempre continuar sob formas subtis, deriva da pretensão de dominar o Mistério. Quem julga deter o saber todo sobre Deus faz-se fatalmente inquisidor, no dia em que tenha do seu lado o poder político. (Diga-se, entre parêntesis, que foi também isso que aconteceu com os regimes comunistas, por exemplo: pensavam deter a ciência da História e controlavam completamente o poder político.) O pretenso saber total torna-se poder totalitário.


A novidade do Deus cristão é que, em Jesus Cristo, não vem em poder e majestade, mas como aquele que serve… Isto significa que, se Deus não dispõe de nós, muito menos nós podemos dispor de Deus. Deus é Mistério indisponível. Quem julga dispor de Deus, seja de que modo for, não esquece apenas que a fé termina no Mistério e não nas fórmulas do dogma. Corre sobretudo o risco de, com toda a desfaçatez, dispor dos homens e das mulheres... De facto, quem julga dispor de Deus porque é que não há-de dispor dos homens e das mulheres?


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 17 de fevereiro de 2024

SOBRE O RISO, O RIDÍCULO E O SAGRADO


"Foi tardiamente que os cristãos aceitaram os festejos carnavalescos às portas dos rigores da Quaresma. Apesar das tentativas da Igreja oficial para travá-los, eles continuaram e impuseram-se.” Foto: Maria João Gala / Global Imagens

 

Os Evangelhos referem mais de uma vez que Jesus chorou: nomeadamente, pela morte do seu amigo Lázaro e sobre Jerusalém e a sua ruína. Nunca se diz explicitamente que sorriu ou riu. Mas está escrito que se alegrou e exultou.


Comover-se, chorar, é próprio do ser humano. Como é próprio do ser humano sorrir e rir. Por isso, lá está Santo Tomás de Aquino a argumentar que, se era humano, é claro que também riu e sorriu. O animal não chora nem ri. O rosto de um ser humano que ri às gargalhadas pode ser do mais bonito que há. Sorrir e rir é sinal da transcendência humana: o ser humano está para lá do dado e do facto e, por isso, sempre também para lá de si mesmo. Ai do homem incapaz de rir-se de si próprio...


Evidentemente, há muitas formas de sorriso e riso, e as suas causas são múltiplas. O riso exultante não se identifica com o riso do desdém. O sorriso saltitante do acolhimento e da ternura nada tem a ver com o sorriso da ironia sardónica, e, muito menos, com o sorriso sobranceiro do desprezo. Em situações-limite, o riso estoira em lágrimas e a dor explode em riso. Tive uma vez uma jovem estudante que me pediu para escrever um “trabalho” precisamente sobre o riso, pois aconteceu-lhe que a mãe ao entrar na igreja e ao ver o cadáver da sua própria mãe (avó da jovem) começou a rir. Cá está: foi tal a dor, a angústia pela morte da mãe, que começou a rir-se — é isso: rimos até às lágrimas, choramos até ao riso…


Sintomaticamente, parte substancial das nossas piadas e anedotas não versam propriamente sobre o jocoso em si mesmo, mas sobre realidades tremendamente sérias: o sexo, a morte, o Além... Talvez por isso mesmo: por serem terrivelmente sérias. Talvez também por isso, o poder, em princípio, não tem boas relações com o humor e o riso e as ditaduras não toleram. É que o humor e o riso podem transportar consigo doses maciças de subversão corrosiva do poder no seu exercício, sobretudo no seu ridículo — não provém ridículo de ridere, precisamente rir?


Estas más relações são notórias concretamente quando consideramos o poder eclesiástico. Ainda não há muitos, muitos anos que os seminaristas nos seminários e as freiras nos conventos passavam os dias e as noites de Carnaval em adoração ao Santíssimo Sacramento, desagravando-o pelos pecados cometidos nesses dias e nessas noites. Não sei se alguém sabia ou saberá exactamente onde é que estava ou está a diferença entre os pecados do Carnaval e os pecados das outras épocas do ano...


Foi tardiamente que os cristãos aceitaram os festejos carnavalescos às portas dos rigores da Quaresma. Apesar das tentativas da Igreja oficial para travá-los, eles continuaram e impuseram-se.  Seja como for, havia na Idade Média uma festa, que era a Festa dos Loucos. Nessa festa, chegava-se ao cúmulo de paramentar um burro, que entrava, portanto, na igreja com as vestes litúrgicas. Realizava-se a Festa dos Loucos, uma crítica brutal ao poder eclesiástico. Arranjava-se um subdiácono, o grau mais baixo da hierarquia, era vestido de “bispo”, colocado em cima de um burro, entrava na igreja com a face voltada para a cauda, de costas para o altar. Em momentos fundamentais da liturgia, o celebrante e o povo zurravam. Na transmissão simbólica do báculo episcopal, rezava-se o Magnificat naquele passo: "e Deus derrubou os poderosos e exaltou os humildes." 


Há um texto da Faculdade de Teologia de Paris, que, em 1444, assim quer justificar a Festa dos Loucos: "Os nossos eminentes antepassados permitiram esta festa. Porque haveria ela de ser-nos interdita? Os tonéis do vinho rebentariam, se de vez em quando não se abrisse o batoque para arejá-los. Ora, nós somos velhos tonéis mal ajustados que o vinho da sabedoria rebentaria se o deixássemos ferver numa devoção contínua ao serviço divino. É por isso que dedicamos alguns dias aos jogos e à palhaçada, a fim de voltarmos em seguida com mais alegria e fervor ao estudo e aos exercícios da religião." Pelo menos, nessa altura, era permitido pôr a ridículo o poder clerical.


No meio de todo aquele aparato do Vaticano, não há uma contradição entre a pompa e a cruz?  E há aquele texto do filósofo Sören Kierkegaard, que diz mais ou menos assim: vai Sua Excelência Reverendíssima o Bispo de Copenhaga, revestido de paramentos com filamentos de ouro e um báculo e uma mitra debruados de pedras preciosas, com todo o seu séquito em esplendor, senta-se num cadeirão de prata e dá início à sua homilia sobre a pobreza. E ninguém se ri!...


A alguém que se sentisse irritado com estas perguntas lembro um texto de Joseph Ratzinger, mais tarde Bento XVI, no qual escreveu que, se hoje se critica menos a Igreja do que na Idade Média, não é porque se tem mais amor à Igreja, mas a si e à carreira.


É para mim evidente que não deve, não pode ser permitido ridicularizar de modo boçal o Sagrado, o Divino. Se isso fosse permitido, era a hecatombe. Mas a questão é outra: pôr a nu, pelo riso, a diferença entre o Sagrado e aquilo que nós seres humanos finitos fazemos dele é saudável. Porque o Divino e o Sagrado não se identificam com o que fazemos deles. Quem pode imaginar e admitir o ridículo de certas imagens de Deus na inteligência e no coração de alguns crentes? Assim, rir-se do modo como nós falamos do Mistério e do modo como o tratamos pode ser uma maneira sã de nos darmos conta da Transcendência do Mistério e do Divino. Que ao mesmo tempo se revelam e se ocultam.


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 10 de fevereiro de 2024

A RELIGIÃO CONFRONTADA COM A RAZÃO CRÍTICA

  


Afinal, o que justamente nos indigna noutros também já esteve presente, de uma forma ou outra, entre nós. E será que a tentação não continua lá?


Vamos dar exemplos.


Não foi há mil anos - muitos de nós ainda se lembram perfeitamente disso -- que as mulheres só podiam entrar nas igrejas com o véu e  que a missa era em latim, e as pessoas ali estavam durante uma hora ou mais a ouvir e a dizer o que exprimimos no dito: para mim, é chinês.


Tudo indica que, enquanto pôde, o clero controlou a vida sexual dos fiéis, a ponto de o historiador Guy Bechtel afirmar que a fractura entre a Igreja católica e o mundo moderno se deu essencialmente na teoria do sexo e do amor: "Onde Estaline se detinha à porta da alcova, a Igreja pretendia deslizar para o meio dos lençóis", pois o diabo estava também e sobretudo dentro da cama. A confissão inquisitorial centrada na actividade sexual terá sido causa determinante na descristianização da Europa. Neste sentido, o historiador católico Jean Delumeau afirmou: "As minhas investigações históricas convenceram-me de que a imagem do Deus castigador e vingativo foi um factor decisivo de uma descristianização cujas raízes são antigas e poderosas". Os homens e as mulheres começaram a abandonar a Igreja, quando recusaram a confissão do seu território sexual, isto é, quando contestaram a invasão do segredo da intimidade, considerado um direito inalienável.  Ah! E o carácter hediondo da pedofilia!...


Não é preciso lembrar os homens e as mulheres que foram assados nas fogueiras da Inquisição e não só: porque tinham ideias novas que não estavam de acordo com o que os guardiões da fé tinham estabelecido como a verdade, ou por causa do medo pânico da mulher, que se chegou a acusar de manter relações sexuais com o diabo...


Houve os autos-de-fé, e também os livros considerados heréticos foram queimados.


No passivo do cristianismo histórico, estão as cruzadas, as guerras de religião, as conquistas coloniais, a missionação forçada. Já Kant se referiu aos Descobrimentos nestes termos: "A América, os países negros, as ilhas das especiarias, o Cabo, etc., eram para eles, na sua descoberta, países que não pertenciam a ninguém, pois os habitantes nada contavam para eles". Este "eles" refere-se às "potências que querem fazer muitas coisas por piedade e pretendem considerar-se como eleitas dentro da ortodoxia, enquanto bebem a injustiça como água".


Assim reza a bula “Romanus Pontifex” (1454) para os reis de Portugal: “Nós concedemos faculdade plena e livre para invadir, conquistar, combater, vencer e submeter quaisquer sarracenos e pagãos e outros inimigos de Cristo, em qualquer parte que estiverem, e os reinos, ducados, principados, domínios, possessões e bens móveis e imóveis tidos e possuídos por eles; e reduzir a escravidão perpétua as pessoas dos mesmos, e destinar para si e os seus sucessores e apropriar-se e aplicar para uso e utilidade sua e dos seus sucessores os reinos, ducados, condados, principados, domínios, possessões e bens deles...”.


Há também a bula “Inter caetera” de Alexandre VI (1493) concedendo os mesmos direitos aos reis de Castela, mas com uma diferença, como sublinha o historiador teólogo Mariano Delgado: não autoriza explicitamente a escravizar os pagãos (índios), pois, insistindo no mandato da evangelização, exclui implicitamente a escravização, porque os baptizados não podiam ser escravizados.


Hoje é sabido que 20 milhões de africanos foram escravizados.


Há uma Constituição do Papa Clemente XI, que proíbe a leitura da Bíblia, incluindo os Evangelhos, aos leigos, e especialmente às mulheres.


Pio VI condenou a "detestável filosofia dos direitos do Homem". Pio XI condenou a evolução.


No termo do século XX, o teólogo Eugen Drewermann escreveu: "Há 500 anos a Igreja recusou a Reforma; há 200, o Iluminismo; há 100, as ciênciass naturais; há 50, a psicanálise. Como viver com tantas rejeições?". E o cardeal Carlo Martini, que o Papa Francisco cita, constatava que “a Igreja anda atrasada mais de duzentos anos”.


Apesar de tudo, julgo poder afirmar que no cômputo global o saldo é superior a favor da religião, nomeadamente do cristianismo. Esta evocação histórica não é, portanto, de modo nenhum um exercício de masoquismo. Quer apenas mostrar que se tornou absolutamente claro que não só não é humano mas tremendamente perigoso aderir de modo cego a uma religião. A fé não é produto da razão, mas a fé autêntica exige a intervenção da razão crítica. Foi esta intervenção que levou, por exemplo, à compreensão de que os livros sagrados - a Bíblia, o Alcorão ou outros - não são ditados divinos; por isso, precisam de interpretação, de uma hermenêutica histórica, não podendo ser engolidos na sua totalidade de modo acrítico. Tornou-se sobretudo transparente que uma religião que seja contra o ser humano, o diminua ou amesquinhe, das duas uma: ou é uma religião falsa ou interpreta-se mal a si própria.


Não me canso de sublinhar que o Novo Testamento “define” Deus como “Amor Incondicional” (Agapê) e também como Lógos (Palavra, Inteligência, Razão) e, por isso, uma vida autenticamente humana e cristã se realiza no cruzamento do amor e da inteligência, da bondade e da razão. E peço aos críticos e inimigos de Francisco, o Papa-cristão que procura levar a Igreja ao Evangelho e trazer o Evangelho à Igreja, que não se esqueçam das desgraças da História.

 

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 3 de fevereiro de 2024

AS CONDIÇÕES DO URGENTE DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO

  


Tanta gente que foi morta ao longo dos séculos, vítima do ódio e de interesses económicos, políticos, geoestratégicos, imperativos de monopólio religioso, e  em nome de  Deus!... Haverá coisa mais abjecta e absurda? É evidente que o deus em nome do qual arbitrariamente se torturou, se assassinou, se vandalizou, não existe. Não passa de um ídolo execrável, que serviu  de legitimação a interesses brutais, sujos, selváticos. Escusado será dizer que esse deus idolátrico produz e tem de produzir inevitavelmente ateísmo. Matar, mandar matar está nos antípodas do santo nome do Deus vivo.


E hoje essa tragédia continua. E porque entre nós não se fala disso, quero (entre parêntesis) apresentar alguns números sobre a perseguição dos cristãos, sabendo-se que o cristianismo é hoje a religião mais perseguida no mundo. Não é a única, evidentemente — pense-se, por exemplo, nos rohinga, adeptos da religião muçulmana e na sua perseguição brutal em Myanmar, país maioritariamente budista. Segundo a ONG  “Puertas Abiertas”, no seu relatório de 2024 referente à perseguição dos cristãos, acabado de ser publicado, entre 1 de Outubro de 2022 e 30 de Setembro de 2023, 14.766 lugares de culto foram destruídos ou encerrados e 4.998 cristãos foram assassinados. Um em cada 7 cristãos é perseguido no mundo — um em cada 5 na África, 2 em cada 5 na Ásia, um em cada 16 na América Latina. A Coreia do Norte voltou a encabeçar o ranking negativo de perseguição mais severa, seguindo-se Somália, Líbia, Eritreia, Iémen, Nigéria, Paquistão, Sudão, Irão e Afeganistão, ocupando Índia e China os lugares 11 e 19, respectivamente. Segundo o Relatório, são 57 os países onde os cristãos enfrentam uma perseguição severa...


Voltando  à temática das religiões, constatamos que a corrupção do óptimo é péssima. A religião, que é, pode e deve ser a pátria da expansão in-finita do ser humano, da libertação, da dignidade e dignificação de todos, do amor, da alegria, da paz, do sentido último, também foi, é e pode tornar-se o espaço da loucura toda, à solta. Na religião, houve e há o melhor e o pior: nela, aconteceu e acontece a subida ao céu do humano heróico até ao divino; nela, desceu-se até ao inferno da desumanidade diabólica. Neste início ainda do século XXI, com a confusão e o medo instalados, reflectir sobre esta realidade é imprescindível.


O que durante tanto tempo Hans Küng, recentemente falecido, sublinhou — a necessidade do diálogo inter-religioso para ser possível a paz no mundo — é cada vez mais urgente. Entende-se mais claramente do que nunca que a obra do famoso teólogo se oriente pelo lema: "Não haverá paz entre as nações sem paz entre as religiões. Não haverá paz entre as religiões sem diálogo entre as religiões. Não haverá diálogo entre as religiões sem critérios éticos globais. Não haverá sobrevivência do nosso globo sem um ethos global, um ethos mundial."


Este diálogo assenta em quatro pilares fundamentais. Primeiro: todas as religiões, desde que não só não se oponham ao Humanum, mas, pelo contrário, o afirmem e promovam, são reveladas e verdadeiras. Segundo: as religiões são manifestações e encarnações da relação de Deus com o Homem e do Homem com Deus. Todas são relativas, no duplo sentido de relativo, dito já no étimo latino: relativas, na medida em que estão inevitavelmente inseridas num determinado contexto histórico-social, e relativas, no sentido de que estão referidas, isto é, em relação com o Absoluto, mas elas próprias não são o Absoluto. Precisamente este segundo pilar exige o terceiro: se não são o Absoluto, embora referidas a ele, então os homens e mulheres religiosos devem dialogar para melhor se aproximarem desse Mistério divino já presente em cada religião, mas sempre transcendente a cada uma e a todas. Não se trata, portanto, de mera tolerância religiosa, que pressupõe ainda uma superioridade de quem tolera o outro considerado inferior. É o próprio Mistério infinito de Deus que exige o diálogo para que os crentes se enriqueçam mutuamente num sempre a caminho do Mistério que se revela e ao mesmo tempo se oculta, e do qual o ser humano não pode apoderar-se nem dominar. Deste diálogo fazem parte os ateus, pois são eles que permanentemente previnem os crentes contra a idolatria e a desumanidade. Finalmente — é o quarto pilar —, se Deus é o Mistério que tudo penetra e a todos envolve, então o respeito pelo outro crente, pelo outro homem, por todas as criaturas, não é algo de acrescentado à fé religiosa, mas exigido pelo próprio dinamismo dessa fé. Acreditar em Deus implica em si mesmo acreditar no ser humano, em todo o ser humano.


E uma última observação, essencial. Não haverá paz entre as religiões e com as religiões, sem dois pressupostos fundamentais, e, aqui, peço desculpa por fazer um apelo nomeadamente ao islão, porque aquilo que custou tanto a perceber e concretizar na e pela Igreja católica, vai ser muito mais difícil para o Islão. Primeiro: condição fundamental é a leitura histórico-crítica dos textos sagrados, que não admitem de modo nenhum uma leitura literal. Segundo: a laicidade do Estado, a separação do Estado e da(s) Igreja(s), o Estado não tem nenhuma religião, para poder salvaguardar a liberdade de todos, o que não significa de modo nenhum laicismo, que seria a pretensão de remeter a religião só para o espaço privado,  como se ela não tivesse lugar no espaço público.   


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 27 de janeiro de 2024

A TEMPESTADE DAS BENÇÃOS

  


1. Penso que para ninguém faz sentido casar por um período determinado de tempo. É perfeitamente claro que não há casamentos a prazo, ele é para a vida toda: “até que a morte nos separe.” O que se passa é que a vida é o que é e pode acontecer que de facto tenha um  termo, podendo mesmo chegar a um ponto em que a separação pode ser até obrigatória — quando há violência, por exemplo, e a educação dos filhos está em perigo. 


Nestas circunstâncias, como aliás tinha escrito Bento XVI quando era apenas o professor Joseph Ratzinger, desde que tenham sido  satisfeitos todos os deveres de justiça em relação com o primeiro casamento, por exemplo, no caso de haver filhos, e se há um novo amor, com verdadeiro  compromisso  na dignidade e na fidelidade cristãs e se os filhos são educados na fé  cristã, já me aconteceu dar uma bênção e admitir esses casais à comunhão. Aliás, Francisco já deu orientações para estes casos.


Fui durante muito tempo professor de Antropologia Filosófica, e hoje é sabido que há homossexuais. Porque  é que não hão-de ser acolhidos? Assim, na sequência do seu casamento civil, já dei, com todo sentido de responsabilidade, uma bênção, numa celebração em família, a um casal de lésbicas, pessoas cristãs, com o sentido da responsabilidade, dedicadas ao trabalho generoso pelos outros, no cumprimento do dever. Na celebração, prometeram e juraram amor nas horas boas e nas horas más, respeito e fidelidade até à morte, e a graça de Deus foi invocada para as suas vidas em comum. É claro que para mim não foi um sacramento no sentido litúrgico-canónico,  mas nem por isso deixou de ser um sacramento  —  Santo Agostinho falou em dezenas de sacramentos —, no sentido mais profundo da palavra: um sinal visível da presença e da actuação de Deus.


2. Estando a Igreja a caminho da celebração no próximo mês de Outubro da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, com voz e voto também de leigos e leigas, precisamente sobre a sinodalidade da Igreja, constituiu uma surpresa para quase todos a publicação no passado dia 18 de Dezembro da declaração Fiducia supplicans (Confiança suplicante), um texto assinado pelo cardeal Víctor Manuel Fernández, prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, e aprovado pelo Papa Francisco, autorizando os bispos, os padres e os diáconos a abençoar ”casais em situação irregular”, como os divorciados recasados e os casais homossexuais. É sobretudo a admissão da possibilidade da bênção dos casais do mesmo sexo que tem levantado um clamor de críticas.


Foi e é uma tempestade, com padres e bispos a recusar dar essa bênção e até com cardeais a considerar Fiducia Supplicans um documento “erróneo, herético, blasfematório”.


Não há de modo nenhum razão para essas críticas, como não se cansa de repetir o cardeal Víctor Fernández.  Mas a questão tem particular relevância na África  onde a homossexualidade é interdita em 32 países e nalguns o simples facto de se declarar gay  pode levar à prisão. O prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, que mostra compreensão para casos como este, não se tem cansado em  desfazer equívocos.


Fica aí uma síntese da entrevista bem esclarecedora  Religuil:  Vdora rizando os padasal de homossexuais, de crssoas do mesmo sexo.e aprovado pelo Papa Francisco autorizando os pad a  Religión Digital. À pergunta: “abençoa-.se as pessoas ou também os casais”, respondeu: “A Declaração diz até à exaustão que há um só matrimónio (homem-mulher, indissolúvel, etc). Diz que esse é o único contexto adequado das relações sexuais. Diz que se deve evitar as bênçãos ritualizadas que poderiam levar à confusão. Parece-me estranho que se possa interpretar mal um texto tão clássico. Explica que se abençoa o casal, essas duas pessoas que se apresentam, mas não a união em si mesma. Vê-se que é um tema que provoca urticárias.” O que responde aos bispos que dizem que a Declaração é inoportuna, desnecessária (já em 2021 se tinha falado do tema), que defrauda? Resposta: “Em 2021  dizia-se que só se podia abençoar os indivíduos separadamente. Aqui, diz-se que na realidade podem estar os dois juntos, porque este tipo de bênçãos pastorais, não rituais, não pretendem validar nada. Por outro lado, o texto nunca fala de abençoar “a união”, coisa que se exclui com base na doutrina tradicional da Igreja, mas se abençoa essas duas pessoas que estão em casal, e pede-se para esse casal saúde, trabalho, paciência, e que possam viver cada vez com maior fidelidade ao Evangelho.” Com uma oração semelhante a esta, esclareceu noutra ocasião:  “Senhor, olha estes teus filhos, concede-lhes saúde, trabalho, paz, ajuda mútua. Livra-os de tudo o que contradiz o Evangelho e concede-lhes viver segundo a tua vontade. Amém.”


3. Sabemos que há homossexuais, trans e outros. E impõe-se tratar essa realidade com naturalidade, e todas as pessoas são dignas de respeito, atendendo inclusivamente ao que sofreram ao longo dos tempos.


Neste contexto, pergunto: quando um casal de homossexuais, na verdade da dignidade, sem relativismo moral, sem confusões nem exibicionismo, pede uma bênção, não é uma bênção para a sua união? Então, como ficou dito, não se trata de um sacramento? Respondo, citando o jesuíta Juan Masiá: “Toda a vida da Igreja é sacramento como participação no Sacramento Radical que é Jesus Cristo, Sacramento do encontro com Deus... Na união civil de baptizados e a bênção eclesial (não canónica, mas eclesial) de casais ‘”irregulares”, pode haver autêntico sacramento (em contexto eclesial, no melhor sentido da palavra).”


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 13 de janeiro de 2024

PASCAL: O HOMEM E DEUS. 3

Pascal_3_anselmo_borges.jpg

 
O Memorial, fé e razão, a aposta
 
Pascal entregou-se totalmente a Deus e doou os seus bens aos pobres. Em 1654 teve uma experiência extraordinária, mística, com o Deus vivo, de tal modo marcante que a descreveu e guardou escrita em segredo cosida no forro do casaco, tendo sido descoberta depois da morte por um criado. É o famoso Memorial:
"Ano da graça de 1654, Segunda-Feira, 23 de Novembro, dia de São Clemente, papa e mártir, e de outros no martirológio. Véspera de São Crisógono, mártir, e outros. Das dez horas e meia da noite, mais ou menos, até mais ou menos meia-noite e meia. FOGO. Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacob, não dos filósofos e dos sábios. Certeza. Certeza. Sentimento. Alegria. Paz. DEUS de Jesus Cristo. Deum meum et Deum vestrum (Meu Deus e vosso Deus). "O teu Deus será o meu Deus". Esquecimento do mundo e de tudo, menos de Deus. Ele não se encontra senão pelas vias ensinadas no Evangelho. Grandeza da alma humana. "Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu conheci-te". Alegria, alegria, alegria, lágrimas de alegria. Separei-me dele. Dereliquerunt me fontem aquae vivae. Meu Deus, abandonar-me-eis? Que eu não me separe de ti eternamente. Esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, único Deus verdadeiro, e aquele que enviaste, Jesus Cristo. Jesus Cristo, Jesus Cristo. Eu separei-me dele, fugi dele, reneguei-o, crucifiquei-o. Que eu nunca me separe dele. Ele só se conserva pelas vias ensinadas no Evangelho: Renúncia total e doce. Submissão total a Jesus Cristo e ao meu director. Alegria eterna por um dia de exercício na terra. Non obliviscar sermones tuos. Ámen."
 
Pascal foi sempre crente, mas entendendo cada vez mais profundamente que só em Deus, no Deus vivo, o Deus de Jesus, o homem encontra a resposta para a sua tensão constitutiva e a verdade e o sentido pleno para a existência.
 
Foi uma experiência mística. Mas a fé tem de ser acompanhada pela razão, como diz em muitos textos. "Conhecemos a verdade não só pela razão, mas também pelo coração. "Miséria do homem sem Deus. Felicidade do homem com Deus." "Os homens têm desprezo pela Religião. Têm-lhe ódio e temem que seja verdadeira; para curar isso, é preciso começar por mostrar que a Religião não é contrária à razão, mas venerável, e digna de respeito. Torná-la em seguida amável." "Submissão e uso da razão: é nisso que consiste o verdadeiro cristianismo." "Se tudo submetermos à razão, a nossa religião nada terá de misterioso e de sobrenatural. Se contrariarmos os princípios da razão, a nossa religião será absurda e ridícula." "Há poucos cristãos verdadeiros. Digo o mesmo na questão da fé. Há muitos que crêem, mas por superstição. Há muitos que não crêem, mas por libertinagem, há poucos entre uns e outros. "A piedade é diferente da superstição."
 
Pensando concretamente nos libertinos, deixou o famoso pari (aposta). Como reza a aposta pascaliana em termos simples? Cito.
 
"Deus existe ou não existe. Para que lado nos inclinaremos? A razão não o pode determinar: há um caos infinito que nos separa. Na extremidade dessa distância infinita, joga-se um jogo em que há-de sair cruz ou coroa. Em que apostareis? É preciso apostar. Não é coisa que dependa da vontade. Já estais embarcados. Que escolha fareis? Já que é preciso escolher, vejamos o que menos vos interessa. Tendes duas coisas a perder: a verdade e o bem; e duas coisas a empenhar: a vossa razão e a vossa vontade, o vosso conhecimento e a vossa bem-aventurança; e a vossa natureza tem de evitar duas coisas: o erro e a miséria. A vossa razão não será mais lesada por escolherdes uma coisa de preferência à outra, pois é forçoso escolher. Eis um ponto assente. Mas a vossa felicidade eterna? Ponderemos o ganho e a perda, escolhendo a cruz que é Deus. Ponderemos estes dois casos: se ganhardes, ganhareis tudo; se perderdes, não perdereis nada. Apostai, pois, que Deus existe, sem hesitação. Há uma eternidade de vida e de felicidade. Há nisto uma infinidade de vida inteiramente feliz a ganhar, uma probabilidade de ganhar contra um número finito de probabilidades de perder, e o que jogais é finito. A nossa proposição tem por si uma força infinita, quando há o finito a arriscar num jogo onde há iguais probabilidades de ganho ou perda, e o infinito a ganhar. Que mal vos poderá acontecer tomando tal partido?" Mesmo em relação a esta vida terrena, o que perdereis? Nada. Pelo contrário, ganhais. Porquê? "Sereis fiel, honesto, humilde, reconhecido, benfazejo, amigo, homem de bem, sincero, amigo de verdade. Com efeito, não ficareis no meio dos prazeres empestados, com a glória, com as delícias, mas não tereis outras delícias? Digo-vos que ganhareis até nesta vida, e que, a cada passo que derdes neste caminho, vereis tanta certeza de ganho, e tanta nulidade naquilo que arriscais, que reconhecereis, por fim, ter apostado numa coisa certa, infinita, pela qual nada haveis dado."
 
"Oh! Este raciocínio transporta-me, arrebata-me, etc. " "Se vos agrada e vos parece forte, sabei que ele é feito por um homem que se pôs de joelhos antes e depois, para pedir ao Ser infinito e sem partes, ao qual submete tudo o que é seu, que submeta também o que é vosso para vosso próprio bem e para a sua glória, e que assim a força se concilie com essa baixeza" (de ajoelhar).
 
A sua última oração, antes de morrer: "Que Deus nunca me abandone!"
 
Bom Natal!
 
Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia
Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 23 de dezembro de 2023
 

PASCAL: O HOMEM E DEUS. 2

  


Entre o nada e o Infinito, outras tensões, Jesus Cristo e a salvação.


Desproporção no homem.  “O que é um homem no infinito? O que é um homem na natureza? Um nada diante do infinito, um tudo diante do nada, um meio entre nada e tudo, infinitamente longe de compreender os extremos. Todas as coisas saíram do nada e são elevadas até ao infinito.” O homem não se compreende porque está no meio e não se contenta senão com o infinito. “Todos os homens procuram ser felizes. O que não conhece excepção por muito diferentes que sejam os meios para esse fim. A vontade não faz a mais pequena diligência a não ser tendo em vista esse objecto. É este o motivo de todas as acções  de todos os homens, até mesmo dos que se enforcam. E contudo, há tantos anos nunca, sem a fé, houve quem chegasse a esse ponto que todos visam continuamente. Todos se lamentam, príncipes, súbditos, nobres, plebeus, velhos, jovens, fortes, fracos, sábios, ignorantes, sãos, doentes, de todos os países, de todos os tempos, de todas as idades e de todas as condições. Uma provação tão longa, tão contínua e tão uniforme deveria convencer-nos da nossa impotência de chegarmos ao bem pelos nossos esforços... Porque este abismo infinito não pode ser preenchido senão por um objecto infinito e imutável, o que quer dizer senão por Deus. Só ele é o seu verdadeiro bem.”  “Miséria do homem sem Deus. Felicidade do homem com Deus.”


Esta desproporção repercute-se em imensas situações de tensão. Exemplos. “Meu, teu. ‘Este cão é meu’, diziam estas pobres crianças. ‘É aqui o meu lugar ao sol.’ Eis o começo e a imagem da usurpação de toda a terra.” Identidade não reificada, mas processual: “Esse eu dos vinte anos já não sou eu.” Sobre o casamento e o divórcio:  “Ele já não é o mesmo, ela já não é a mesma; se fossem os mesmos, ainda se amariam.” “A justiça sem a força é impotente; a força sem a justiça é tirânica.” “Conhecemos a verdade não só pela razão, mas também pelo coração.” “Sabedoria infinita e loucura da religião.” “Verdade aquém dos Pirenéus e erro além.” “Há duas espécies de espíritos: um, geométrico, e outro que se pode chamar de ‘finesse’.” “O homem não é anjo nem é besta, e por desgraça quem se quer fazer anjo faz-se besta.” “Os homens ocupam-se em seguir uma bola e uma lebre: eis o prazer por excelência dos reis.” “Vaidade, jogo, caça, visitas, comédias, falsa perpetuidade do nome.”  “Há poucos cristãos verdadeiros. Digo o mesmo na questão da fé. Há muitos que crêem, mas por superstição. Há muitos que não crêem, mas por libertinagem, há poucos entre uns e outros.“ “A piedade é diferente da superstição.” “Dois excessos: excluir a razão, não admitir senão a razão.” Nós e os outros: “Sustento que, se todos os homens soubessem o que dizem uns dos outros na sua ausência, não haveria quatro amigos no mundo.”


Finitude, contingência. “Tivesse o nariz de Cleópatra sido mais curto e teria mudado toda a face da terra.”  “Sinto que podia não ter existido, porque o eu consiste no meu pensamento; portanto, o eu que pensa não teria existido, se a minha mãe tivesse morrido antes de eu ter sido concebido; logo, não sou um ser necessário. Também não sou eterno nem infinito, mas vejo bem que há na natureza um ser necessário, eterno e infinito.”   


Em quem se encontra a salvação senão em Jesus Cristo? “O Evangelho não fala da virgindade da Virgem senão na altura do nascimento de Jesus Cristo. Tudo se reporta a Jesus Cristo.” “Ninguém é feliz como um verdadeiro cristão, nem sensato, nem virtuoso, nem amável.” “Nós não conhecemos Deus senão por Jesus Cristo, como não nos conhecemos a nós mesmos senão por Jesus Cristo; não conhecemos a vida e a morte senão por Jesus Cristo. Fora de Jesus Cristo, não sabemos o que é a nossa vida nem a nossa morte, nem Deus, nem nós mesmos. Assim, sem a Escritura que não tem por objecto senão Jesus Cristo, nada conhecemos, e não vemos senão obscuridade e confusão na natureza de Deus e na própria natureza.” “Jesus Cristo é  o centro para o qual tudo tende. Quem o conhece conhece a razão de todas as coisas.” “Os filósofos. Eles causam espanto no comum dos homens. Os cristãos, eles causam espanto nos filósofos.” A morte e a esperança: “Imaginemos muitos homens algemados, e todos condenados à morte; olhando uns para os outros com dor e sem esperança, estão à espera da sua vez“. “Não nos aflijamos como os pagãos que não têm esperança... Não consideremos a morte como pagãos, mas como cristãos, como ordena São Paulo, isto é, com esperança, pois é esse o privilégio dos cristãos.”


Consequências de ser cristão. “Amo todos os homens como meus irmãos. Amo a pobreza porque Jesus Cristo a amou. Amo os bens porque me dão meio de com eles assistir os miseráveis. Guardo fidelidade a toda a gente. Não devolvo o mal aos que mo fazem, mas desejo-lhes uma condição semelhante à minha. Procuro ser justo, verdadeiro, sincero e fiel a todos, e tenho uma ternura de coração por aqueles aos quais Deus me uniu mais estreitamente. E quer esteja só ou à vista dos homens, tenho todas as minhas acções à vista de Deus, que deve julgá-las e a quem todas consagrei.” “A verdade sem a caridade não é Deus.” “Jesus estará em agonia até ao fim do mundo. Não devemos dormir durante esse tempo.” “Duas leis bastam para regular toda a república cristã melhor do que todas as leis políticas: o amor de Deus e o do próximo.” 

 

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 16 de dezembro de 2023

PASCAL: O HOMEM E DEUS

  


Quando me perguntam sobre os livros da minha vida, respondo: a Bíblia, a obra de Immanuel Kant, a obra de Hans Küng e Pensamentos de Pascal.


Pascal nasceu em Junho de 1623, portanto, há 400 anos. Neste quarto centenário, fica aí uma modesta homenagem ao matemático, um dos maiores de sempre, mas também a um dos maiores cristãos europeus de sempre, lembrando alguns pensamentos de Pensamentos e outros textos e a sua busca de Deus. Ousei, servindo-me, com arranjos, da tradução de Denis da Luz e Miguel Serras Pereira, uma brevíssima antologia em três momentos.


1. Grandeza e miséria, divertimento, busca de Deus
“O pensamento faz a grandeza do homem.” .“É tão visível a grandeza do homem que até provém da sua miséria. Até as misérias provam a sua grandeza. São misérias de grande senhor, misérias de rei sem trono.” “A grandeza do homem é grande em conhecer-se ele como miserável.” ”O homem conhece que é miserável. É portanto miserável uma vez que o é, mas é deveras grande uma vez que o conhece.”


“O que é um homem no infinito?” “O silêncio eterno destes espaços infinitos apavora-me.” “O homem não é mais do que uma cana, a mais fraca da natureza, mas é uma cana pensante. Não é necessário que o universo inteiro se arme para o esmagar: um vapor, uma gota de água bastam para o matar. Mas ainda que o universo o esmagasse, o homem continuaria a ser mais nobre do que aquilo que o mata, pois sabe que morre e a vantagem que o universo tem sobre ele; o universo nada sabe. Toda a nossa dignidade consiste, pois, no pensamento. Esforcemo-nos, pois, por pensar bem: eis o princípio da moral.”


“O homem é visivelmente feito para pensar. Nisto consiste toda a sua dignidade e o seu mérito. E o seu dever é pensar como se deve. Ora bem: a ordem do pensamento está em começar cada qual a pensar em si próprio, no seu autor e no seu fim. E em que se pensa afinal? Em tudo menos nisso.”


"Descobri que toda a infelicidade dos homens vem de uma só coisa: não saberem estar sossegados num quarto." O que procuram é "a agitação que nos desvia de pensar na nossa condição e nos diverte." "Por isso amam tanto os homens o ruído e o bulício; por isso o amor da solidão é coisa tão incompreensível. E, em suma, pode dizer-se que o maior motivo de felicidade da condição dos reis consiste em terem quem continuamente procure diverti-los e proporcionar-lhes prazeres." "É uma coisa deplorável vermos todos os homens deliberarem apenas sobre os meios e não sobre os fins." "A única coisa que nos consola das nossas misérias é o divertimento. E, no entanto, é essa a maior das nossas misérias. Porque isso é o que nos impede principalmente de pensarmos em nós e que nos faz perdermo-nos insensivelmente." "O último acto é sangrento por mais bela que em tudo o resto seja a comédia. Deita-se por fim terra sobre a cabeça e está acabado para sempre." "O comum dos homens põe o bem na fortuna e nos bens do exterior, ou pelo menos no divertimento." Ah! E a vaidade: "A vaidade está tão ancorada no coração do homem que um soldado, um servente de pedreiro, um cozinheiro, um carregador se gabam do que são e querem ter os seus admiradores. E os próprios filósofos o querem, e os que escrevem contra isso querem ter a glória de terem escrito bem, e aqueles que os lêem querem ter a glória de os terem lido, e eu que escrevo talvez tenha esse desejo, e talvez os que o lerem..."


“Não tendo podido curar a morte, a miséria, a ignorância, os homens tomaram, para serem felizes, o partido de não pensar nelas. Apesar destas misérias, o homem quer ser feliz e não quer senão ser feliz, e não pode não querer sê-lo. Mas como fará para obter isso? Para o conseguir teria de se tornar imortal, mas não o podendo ser, tomou o partido de deixar de pensar nisso.” 


Que caminho seguir? “Vendo a cegueira e a miséria do homem, olhando todo o universo mudo e o homem sem luz abandonado a si mesmo, e como que perdido neste recanto do universo sem saber quem aqui o pôs, o que veio cá fazer, aquilo em que se tornará ao morrer, incapaz de qualquer conhecimento, entro em pânico como um homem que tivessem transportado adormecido para uma ilha deserta e assustadora e que despertasse sem conhecer onde está e sem meio de sair dela. E depois disso admiro-me como não entramos em desespero por tão miserável estado. Vejo outras pessoas junto a mim de uma natureza semelhante. Pergunto-lhes se estão mais bem instruídas do que eu. Dizem-me que não, e, dito isto, esses miseráveis extraviados tendo olhado em seu redor e visto alguns objectos aprazíveis, a eles se entregaram e apegaram. Quanto a mim, não pude apegar-me a nada e, considerando quanta manifestação há de outra coisa mais do que aquilo que vejo, procurei descobrir se Deus não teria deixado algum sinal de si.” “Se o homem não é feito para Deus, porque não é feliz senão em Deus? Se o homem é feito para Deus, porque é tão contrário a Deus?”


“Há apenas três espécies de pessoas: umas que servem Deus tendo-o encontrado, outras que se dedicam a buscá-lo, não o tendo encontrado, outras que vivem sem o buscar nem o encontrar. As primeiras são sensatas e felizes, as últimas são loucas e infelizes, as do meio são infelizes e sensatas.” “A verdadeira natureza  do homem, o seu verdadeiro bem, a verdadeira virtude e a verdadeira religião são coisas cujo conhecimento é inseparável.”


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 9 de dezembro de 2023

A IMACULADA CONCEIÇÃO, O PECADO ORIGINAL E O SEXO

  


Volto ao tema, pois não sei se a maioria dos portugueses sabe a razão do feriado de 8 de Dezembro.  Os católicos saberão que se trata de uma festa ligada a Nossa Senhora e, se interrogados, talvez respondessem, na quase totalidade, que tem a ver com a virgindade de Maria. Para dizer o quê, celebrando o quê? Volto ao tema, porque pode ser ou tornar-se uma festa com muitos equívocos.       


Logo à partida, que pode significar Imaculada Conceição? De facto, não se refere directamente à virgindade, mas não lhe é completamente alheia. Do que se trata, na realidade, é da afirmação de que Maria, a Mãe de Jesus, foi concebida sem pecado. Mas, aqui, sem hermenêutica, isto é, sem interpretação, pode albergar-se uma série de confusões, profundamente ofensivas sobretudo para as mulheres, minando, desgraçadamente, a mensagem do Evangelho enquanto notícia boa e felicitante também para elas. 


Foi concretamente Santo Agostinho que elaborou a doutrina do pecado original, no sentido de um pecado cometido pelos primeiros pais (Adão e Eva) e transmitido a todos por herança, no acto sexual. Na festa da Imaculada Conceição o que se celebraria é que houve uma excepção: Maria foi concebida sem a mancha do pecado original.


Deste modo, porém, a sexualidade ficou manchada e as mulheres acabavam por sentir-se discriminadas, tanto mais quanto, associando também a concepção de Jesus a uma geração virginal, se lhes propunha o ideal impossível de virgem e mãe.


Subrepticiamente, esta doutrina causou imensos danos ao cristianismo, concretamente à mulher, à visão do sexo e do casamento. Assim, um cristão atento e reflexivo sabe que é necessário e urgente rever o dogma, mostrando o seu verdadeiro sentido. O próprio Papa João Paulo II deu a chave, ao escrever que "o Natal de Jesus revela o sentido profundo de todo o nascimento humano". Afinal, quando percebe que o ser humano não é redutível à biologia, o crente verá em toda a nova geração a presença do Espírito Santo, como aconteceu com Jesus. Por outro lado, nascer é vir à luz e, portanto, dar à luz não constitui uma mancha para a mãe, como supõe a doutrina da virgindade de Maria: virgem “antes, no e depois do parto”. Hoje, o pecado original é inconcebível, concretamente, por causa da evolução: o ser humano aparece no quadro da evolução, o que implica então a seguinte pergunta: quem foram os “primeiros pais”, colocados no mundo sem pecado e que depois pecaram, transmitindo esse pecado a todos, de tal modo que todos nascem em pecado de que só o baptismo os pode libertar?  Ainda conheci mães que viveram verdadeiros dramas interiores porque os seus  bebés tinham morrido sem o baptismo. Mas não. Todo o ser humano é concebido sem pecado; o que se passa é que, entrado no mundo, terá de lutar contra a maldade e o pecado já presentes, na esperança de um mundo melhor, mais digno e mais justo. Uma comparação: alguém que não fuma é de algum modo contaminado pelo fumo ao entrar numa sala com fumadores. E o baptismo? Não é para apagar o pecado original, que não há; os pais baptizam os seus filhos, porque, desejando o melhor para eles, querem que eles entrem na Igreja, comprometendo-se a educá-los na fé como discípulos de Jesus.


Podemos então compreender, como dizia o teólogo Karl Rahner, que, nestes domínios, por exemplo, da virgindade de Maria, não se trata de biologia. Referindo-se à narrativa do Evangelho de São Mateus sobre a geração de Jesus por obra do Espírito Santo, escreveu o exegeta Jean Radermakers: "Tomando imagens das mitologias pagãs, depuradas pela reflexão judaica, Mateus não se situa num plano de fisiologia, medicina, ginecologia ou sexologia, mas no de uma realidade mais profunda. Deveríamos reler a nossa experiência do dar à luz e da responsabilidade parental a partir do nascimento de Jesus. Toda a criatura recém-nascida vem de Deus. Assumir uma maternidade e paternidade humanas é deixar que Deus se revele na criatura nascida. A missão de todo o varão e toda a mulher que se unem é dar lugar a que apareça no mundo a realidade do Emanuel, Deus connosco."


Criticando os mal-entendidos da leitura do Evangelho a partir de pressupostos negativos em relação à sexualidade, o teólogo Juan Masiá põe na boca do anjo estas palavras dirigidas a São José: "Não deixes de levar Maria contigo. Não penses que pelo facto da intervenção do Espírito o teu papel como varão está a mais. Não tens que afastar-te para permitir que Deus faça algo grande com a tua família. Com a tua relação com Maria, não vais entrar em concorrência com o Espírito Santo. O teu papel é compatível com a acção de Deus e com que Jesus seja o Cristo."


Não há dúvida de que a Igreja na sua história foi contaminada por uma verdadeira obsessão pelo sexo, numa relação envenenada com a sexualidade e o prazer. É claro que, no universo sexual, que, como escreveu Miguel Oliveira da Silva, continua a ser “um imenso, incómodo e multifacetado mistério”, não vale tudo e que “a sociedade ocidental vive um profundo e grave vazio ético em matéria de sexualidade, que a múltipla oferta de uma sexualidade por vezes devassada sem pudor na praça pública e passível de excessos não consegue preencher — ao contrário.” E a Igreja? O cardeal alemão R. Marx chamou recentemente a atenção para a urgência da “mudança da moral sexual católica”, superando “uma imagem que tem estado marcada pela culpa  e pelo pecado”.


Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 2 de dezembro de 2023