Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

EVOCAÇÃO DE LUIZ FRANCISCO REBELLO NAS “MEMÓRIAS DA ACADEMIA DAS CIÊNCIAS”

 

Acaba de ser publicado o Tomo XL das Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, entidade prioritária a que me honro de pertencer.

 

Trata-se de uma edição em 2 volumes reunindo 54 textos de comunicações e colaborações de membros da Academia. E entre os textos, queremos aqui salientar duas comunicações de Luiz Francisco Rebello (membro da Academia) sobre temas ligados ao teatro português.

 

Assim, no Volume I, a comunicação evocativa, precisamente intitulada “No Centenário da Morte de D. João da Câmara”. E no Volume II, a comunicação sobre o teatro e os teatros em Portugal na transição do século, esta intitulada “O Teatro na Transição da Monarquia para a República”.

 

Para além da óbvia qualidade das comunicações, importa referir a abrangência temática no que respeita então ao teatro: a escrita de peças, a referência a análises históricas e críticas e a relevância do historial de peças, textos, salas e edifícios e os próprios espetáculos. Nesse aspeto, trata-se pois de uma abrangência das artes ligadas ao teatro, abrangência em si mesma da grande qualidade, o que, dado o autor, não é minimamente de estranhar!...  E essa globalidade surge em ambas as comunicações.

 

De tal forma assim é, que o texto evocativo do Centenário da Morte de D. João da Câmara começa por citar e remeter e situar textos interventivos de Gil Vicente, D. Francisco Manoel de Mello, António Ferreira, Garrett, Eça, Oliveira Martins, Fialho, Raul Brandão, Lopes de Mendonça, Júlio Dantas, Luís Barreto e tantos mais escritores, dramaturgos e críticos e analistas, de uma forma ou de outra ligados à criação, à analise ou à crítica teatral.

 

E como bem sabemos, Luiz Francisco Rebello, além de excelente dramaturgo, marcou profundamente todas estas dimensões da atividade e criação da arte do teatro. Aí se inclui a dimensão de espetáculo, que é sobretudo desenvolvida como tal no outro estudo acima citado, “O Teatro na Transição do Século da Monarquia para a República”.

 

Salientamos sobretudo toda a referência analítica que encerra o estudo. Refere a reforma do Conservatório, que em 1911 autonomizou a Escola de Arte de Representar.

 

E Luiz Francisco Rebello dá um justo destaque a fatores que normalmente são esquecidos. Citamos.

 

De um lado, a reforma do Conservatório, por decreto de 22 de maio de 1911, “autonomizando a Escola de Arte de Representar e fazendo desta um dos estabelecimentos congéneres mais avançados do seu tempo”.

 

Já “a projetada reforma do Teatro Nacional veio a revelar-se pouco produtiva”. 

 

Pelo contrário, iniciada em 1911 “a campanha vicentina em que se empenhou o poeta Afonso Lopes Vieira que arrancou ao esquecimento em que jazia há anos o autor da trilogia das Barcas”.

 

Também relevante o Teatro ao Ar Livre levada a efeito no Jardim da Estrela pelo cenógrafo Augusto Pina “em que se representou uma versão da Oréstia de Ésquilo assinada por Coelho de Carvalho”.

 

Mas diz-nos ainda Luiz Francisco Rebello, o incremento de sucessivas salas de cinema, que “já desde 1904 se tinha inaugurado em Lisboa “a primeira sala de cinema, o Salão Ideal”: mas esse incremento de salas de cinema  terá sido “a mudança mais  significativa e inovadora que a República registou nas áreas de espetáculo”.

 

DUARTE IVO CRUZ

TEATRO VIRIATO DE VISEU

 

A pretexto do anúncio de novas obras no Teatro, vale a pena recordar o historial desta sala de espetáculos, sobre a qual já tivemos ocasião de diversas vezes aqui referir e também num dos nossos livros dedicados a antigas e modernas salas e centros de espetáculos em Portugal. 

 

Muitas vezes citamos esses nossos livros e artigos: e neste caso a oportunidade mais se justifica precisamente pelo início das obras de recuperação. 

 

Desde logo porque o Teatro Viriato, na sua expressão histórica, surge em 1883, então denominado Theatro Boa União. Mas logo passados meros 6 anos, adota a designação atual, Teatro Viriato, numa evocação histórica que durou mais do que a atividade da sala em si: pois efetivamente, a inauguração, em 1921, de um Teatro Avenida, aliás esse demolido em 1970, prejudicou a atividade do mais velho Viriato. E o edifício é transformado em armazém: isto, num período em que os velhos teatros eram ou demolidos ou adaptados... 

 

E decorrem 25 anos até que, precisamente em 1985, segundo já oportunamente escrevemos, o velho Teatro Viriato é recuperado com um espetáculo simultaneamente cultural-nacional e regional, digamos assim – uma montagem de textos de Aquilino Ribeiro, articulados e encenados por Ricardo Paes com a designação dramática de “Teatro de Enormidades Apenas Críveis à Luz Elétrica”, nada menos. 

 

Aquilino Ribeiro (1885-1963) era natural de Viseu. Apesar de ter dedicado diretamente à cena apenas duas peças, ainda por cima separadas por mais de 20 anos, “O Manto de Nossa Senhora (1920) e “Tombo no Inferno” (1964), isso não obsta a que, para além da especificidade exemplar da linguagem, a expressão de espetáculo mereça referência.

 

No mesmo ano de 1985, a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto efetuou um conjunto de estudos acerca da possível restauração do edifício. Até que em 1986 a Câmara Municipal de Viseu adquiriu o Teatro Viriato e efetuou obras de restruturação. As obras prosseguiram com intermitências, e o Teatro é recuperado no final do século. Mas com limitações de espaço. Em 1999 o Teatro reiniciou atividade. 

 

E agora anunciam-se novas obras no Teatro. Segundo informações do próprio Teatro Viriato trata-se da reabilitação dos antigos espaços das Aprogel, isto é um espaço antigo contíguo ao Teatro, que foi adquirido pelo Município de Viseu de forma a ampliar o Teatro Viriato. Estas obras no valor de 324€ mil euros, vêm colmatar a falta de espaço que o Teatro vinha a sentir. Com as obras o Teatro passará a contar com um espaço polivalente associado a atividades de Teatro, a projetos de residência e a apresentações formais e informais para pequenas audiências.  A intervenção irá durar cerca de um ano, durante o qual o Teatro permanecerá aberto e em atividade.

DUARTE IVO CRUZ

EVOCAÇÃO DO TEATRO THALIA

 

Vale a pena recordar o papel e a função cultural do Teatro Thalia, muitas vezes referido como Teatro das Laranjeiras que se situa-se em área altamente frequentada. E a sua função e atuação em muito transcendeu as origens aristocratizantes, digamos assim, do Teatro em si, isto desde que foi inaugurado em 1825 por iniciativa do Conde de Farrobo, junto ao Palácio das Laranjeiras, onde morava, e no que é hoje o Jardim Zoológico de Lisboa.

 

Há anos tivemos ensejo de recordar que o velho Teatro foi inaugurado em 1825, alterado em 1842 segundo projeto de Francisco Lodi, e quase destruído por um incêndio ocorrido em 1862. Só a fachada ficou.

 

Mas em 2012 o Teatro é reconstruído segundo projeto dos arquitetos Gonçalo Byrne e Barbas Lopes. Já tivemos ocasião de sublinhar a conciliação do restauro com o que restava do edifício original. E esse edifício teve funções relevantes ao longo das sucessivas atividades socioculturais. Aliás, há como que uma tradição cultural ligada ao Palácio das Laranjeiras. Nos anos 20 do século passado realizaram-se lá espetáculos de bailado a que esteve ligado Almada Negreiros.

 

E tivemos ocasião, em textos anteriores, de recordar que o Teatro foi inaugurado com uma ópera hoje esquecida, “Il Castello de Spiriti” de Mercadante, compositor e maestro então responsável pelas temporadas de ópera organizadas pelo então dono do edifício, João Pedro Quintela, numa tradição familiar que vinha do pai, “nobilitado” com o título de Barão e depois a Conde de Farrobo.

 

 O pai, por sua vez, esteve ligado à fundação do Teatro de São Carlos em 1793 e o filho seguiu-lhe o exemplo de grande aficionado e amador de ópera. Farrobo filho viria a estar também a certa altura na gestão do São Carlos.

 

Na obra intitulada “O Teatro em Lisboa no Tempo de Almeida Garrett” Ana Isabel P. Teixeira de Vasconcelos evoca a frequência de Passos no Teatro das Laranjeiras e cita, entre mais eventos, a colaboração frequente de Rambois e Cinatti como cenógrafos. Evoca a descrição de Francisco Câncio acerca de uma receção a D. Maria II.

 

O Teatro era e será um grande centro de cultura e de projeção social. Como tal, continua hoje a merecer citação. Veremos em próximo texto as referências num volume publicado muito recentemente.

 

DUARTE IVO CRUZ

UM TEATRO EFÉMERO EM LISBOA: O TEATRO D. FERNANDO

 

Nesta alternância entre teatros em atividade e teatros antigos e desaparecidos, evocamos a memória de um teatro situado no coração de Lisboa. Não sobreviveu a alterações urbanas e a pressões culturais que, já na época, marcavam a vida sociocultural da cidade – e isto, insista-se, num tempo que a expressão não teria o menor cabimento…

 

Em qualquer caso, evocamos aqui o então denominado Theatro de D. Fernando. Foi inaugurado em 20 de outubro de 1849 e demolido exatos 10 anos depois. O projeto arquitetónico deve-se basicamente ao arquiteto francês Arnould Bertin.

 

Tenhamos presente que o Teatro de D: Maria II foi inaugurado em 1846, segundo projeto do italiano Francisco Lodi, e há sempre que recordar a relevância de Garrett na iniciativa.  E tal como refere José Augusto França “o discurso arquitetónico o romantismo começa ali”, sintomaticamente (in “A Arte Portuguesa de Oitocentos”).

 

Por seu lado, Sousa Bastos, no sempre referenciável “Diccionario do Theatro Portugez”, livro datado de 1908, levanta dúvidas quanto à construção. Escreve:

 

«O Theatro de D. Fernando era mal construído, de má aparência e com uma sala defeituosa e mal ornamentada. Foi inaugurado em 29 de Outubro de 1849 com o drama Adriana Lecouvreur representando o principal papel Emilia das Neves e sendo ensaiador Emilio Doux».

 

Mas o mais curioso é o que se segue:

 

«No intervalo do 3º para o 4º ato, Garrett foi ao palco abraçar a grande Emília, dizendo-lhe: “Não pode representar melhor!”»

 

E mais acrescenta Sousa Bastos que Garrett tinha visto em França representar “a sublime atriz Rachel”… este nome da “sublime atriz” já pouco  hoje nos recorda…

 

O Teatro tinha dimensão adequada aos hábitos da época. A lotação excedida os 600 lugares, com três ordens de camarotes, o que que marcava a expressão social. E a sua implantação na Lisboa representava também uma valorização urbana que marcava as expressões socio culturais então dominantes…

 

Muito embora: O Teatro D. Fernando teve vida difícil. Ao fim de sete meses, a empresa faliu. Emile Doux tentou prosseguir a carreira e alcançou alguns sucessos. Mas a verdade é que tanto os sucessos como o próprio edifício pouco duraram.

 

E o Teatro D. Fernado foi demolido em 1859.

 

DUARTE IVO CRUZ

NOVA EVOCAÇÃO DO CINE-TEATRO DO FUNDÃO

 

Já aqui foi feita referência ao Cine-Teatro Gardunha do Fundão, salientando a tradição histórico-urbana das salas de espetáculo da cidade e da zona geográfico-urbana em que se inscreve.

 

Importa efetivamente enfatizar, a nível de todo o país e a nível histórico, esses movimentos de descentralização que se foram implantando num sentido obviamente convergente de desenvolvimento descentralizado de cultura e de espetáculo, com toda a vastíssima abrangência que envolve.

 

E é relevante referir esse movimento, no que diz respeito a instituições e edificações ligadas ao espetáculo, na transição da relevância teatral para a relevância cinematográfica, sinais generalizados e incontestáveis no seu significado histórico-urbano e cultural.

 

Ora, como já temos referido, é também de realçar o desempenho da Câmara Municipal na reconversão desta infraestrutura e atividade cultural. Independentemente do desempenho, o que aqui agora referimos é pois essa infraestrutura, que ao longo de décadas pelo menos se tem mantido como tal, independentemente das alterações urbano-arquitetónicas envolvidas, e que oportunamente têm sido aqui evocadas.

 

Isto sem embargo de referir também a dissidência epocal que neste domínio, repita-se, da atividade e da infraestrutura, sempre acaba por ocorrer.

 

No caso agora evocado, há que recordar que em meados da década de 60 foi demolida no Fundão uma bela sala oitocentista, na época integrada no então designado Casino Fundanense.

 

Restaram imagens e descrições de uma pequena sala à italiana, como aliás era quase norma na época (e de certo modo ainda hoje…) a certa altura devidamente restaurada, com camarotes, e pinturas no teto: terá sido reaberta cerca de 1915 mas sofreu sucessivas intervenções e adaptações, até que a Câmara lá instalou o Museu Arqueológico.

 

Entretanto, em 1958 é inaugurada uma sala de espetáculos, precisamente o Cine-Teatro Gardunha. E já tivemos ensejo de referir que à época este edifício foi devidamente saudado, pela tecnologia de construção em betão pré-esforçado, com revestimento em cantaria de granito da região, o que confere no ponto de vista arquitetónico uma especificidade de certo modo também regional.

 

Mas o mais relevante seria o torreão, ao qual se tinha acesso através de escadaria implantada no foyer. A sala tinha condições para funcionar como teatro e como cinema, com uma lotação de cerca de 750 lugares. E como tal se manteve em atividade, com óbvio destaque para os espetáculos cinematográficos.

 

E a partir de certa altura, só esses lá eram apresentados, o que terá mais a ver com as condições de produção e atividade cultural da época, do que propriamente com a exploração da sala e do público: assim era e de certo modo assim ainda é em todo o país…

 

Encerrou atividade nos anos 90 do século passado. E no entanto, importa destacar a singularidade do edifício, dominado pela torre.

 

Na época a Câmara Municipal definiu o processo de reabilitação do edifício preenchendo assim uma lacuna a nível de infraestruturas do Concelho no que respeita a equipamentos de espetáculo. E nessa componente técnico-artística participou José Manuel Castanheira como arquiteto responsável pelas áreas de recuperação e espaço de espetáculo.

 

Já tivemos então ensejo de referir este exemplo da chamada geração dos cineteatros. Além de constituírem em si mesmo equipamento arquitetónico e urbano que merece ser preservado, representam importante expressão cultural na globalidade da conceção, construção, urbanização e exploração.

 

DUARTE IVO CRUZ     

NO BRASIL, COLÓQUIO SOBRE TEATRO PORTUGUÊS

Sena & Sophia_cartaz.png

Referimos hoje a celebração, na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro - URFJ, de um colóquio sobre o centenário do nascimento de Sophia de Mello Breyner Andersen e de Jorge de Sena, ambos como bem sabemos escritores e dramaturgos de grande prestígio. Intitulado justamente “Sena & Sophia: Centenários”, o colóquio é uma oportuna iniciativa do Real Gabinete Português de Leitura e precisamente da Cátedra Jorge de Sena da referida Universidade: e é interessante referir esta dualidade temática, Sophia e Sena, a partir insista-se, do centenário do nascimento de ambos os escritores, sendo certo que Sena falece em 1978, e Sophia em 2004.

Já aqui evocamos o teatro de Sophia, em três artigos recentes, onde analisamos a dramaturgia desta extraordinária escritora que tanto prestigiou a criatividade poética, literária e dramatúrgica da literatura de língua portuguesa. Para esses artigos remetemos, salientando, entretanto, uma vez mais, a relevância e projeção que o colóquio representa, tendo em vista o âmbito prestigiado e prestigiante da UFRJ.

Mas veja-se agora que é interessante e prestigiante para as entidades organizadoras e também obviamente para a cultura portuguesa em geral, esta evocação da obra e da personalidade de Jorge de Sena. E então, merece o maior destaque a circunstância de que a iniciava se deve à precisamente designada Cátedra Jorge de Sena, da Faculdade de Letras da UFRJ, o que demostra a relevância do escritor.

E dado que esta rubrica se constitui precisamente num conjunto de análises a partir da arte cénica, referiremos então sobretudo a dramaturgia de Jorge de Sena, sem esquecer, note-se, a heterogeneidade e qualidade da sua obra geral, que noutra ocasião poderemos analisar.

Efetivamente, Jorge de Sena, apara além de um ato breve inicial de expressão mais realista, “Luto” (1938), inicia em 1945 uma renovação das expressões do teatro-texto, através algo paradoxalmente de reestruturação do teatro de temário histórico, com “O Indesejado - António Rei” (1945). E logo aí ressalta a modernização/inquirição dos temas e do estilo dominante do teatro: trata-se efetivamente de uma tragédia anti sebastianista, digamos assim, que como tal rompe com uma tradição clássica secular no teatro português...

E mais escreveu para a cena Jorge de Sena, perdoe-se a quase redundância, através de uma série de textos dramáticos que vão buscar a temas por vezes de evocação histórica como que uma análise crítica da realidade do seu tempo: assim temos “Amparo de Mãe” (1948), “Ulisseia Adúltera” (1948), “A Morte do Papa” (1964), “O Império do Oriente” (1964), “O Banquete de Dionísios” (1969), “Prometeu ou o Homem que Pensava demais” (1971).

Mas não ficou por aqui a intervenção do Jorge de Sena no teatro. Na verdade, colaborou com António Pedro e nos relevantes - na época pela renovação e culturalmente ainda hoje - Companheiros do Pátio das Comédias e Teatro Experimental do Porto. E mais: de junho a setembro de 1948, Jorge de Sena adaptou para a rádio nada menos do que 13 romances policiais emitidos no então importante Radio Clube Português num programa produzido por António Pedro, com quem aliás colaborou no Teatro Experimental do Porto.

Tal como como escreveu Luis Francisco Rebello, parte das peças de Jorge de Sena “direta ou indiretamente se reconduzem á estética e à ética do surrealismo”. (in “O Jogo dos Homens” 1971). E tal como eu próprio escrevi, e seja-me permitida as auto citações, “Jorge de Sena representa a mais acabada continuidade e complementaridade entre o Surrealismo e o Classicismo”, no contexto de “uma visão muito ácida e crítica da sociedade portuguesa…” (in História do Teatro Português” ed. Verbo 2001 e “Teatro em Portugal” ed. CTT 2012).

 

DUARTE IVO CRUZ

   

O CINE-TEATRO ANTÓNIO PINHEIRO, UM ANO DEPOIS

projecto-antonio-pinheiro-1.png

 

Fazemos nova e breve referência ao Cine Teatro António Pinheiro, em Tavira, praticamente um ano depois do texto que, em 3 de setembro de 2018 aqui foi publicado. Tivemos efetivamente ensejo muito recentemente de outra vez o observar. E sem entrar em repetições, há que assinalar dois aspetos contrastantes, ligados ao velho edifício.

Por um lado, as obras de recuperação do Cine Teatro. Quanto a isso, o que podemos confirmar é uma certa intervenção, atribuível à recuperação em si, dado que a Câmara Municipal adquiriu o Cine Teatro em 2001 e durante um largo período antevê-o em atividade. Depois as obras na prática estagnaram.

O que vemos agora é efetivamente uma vasta intervenção externa, que pode ou não conduzir à recuperação do velho Cine Teatro, ou o aproveitamento do que resta em funções ligadas à atividade cultural e de espetáculo – ou não!...   Sendo certo que este período estival não facilita os contactos...

E no entanto, assinala-se novamente a homenagem que, pelo menos desde 1917, a cidade de Tavira prestou a António Pinheiro, lá nascido em 1867, e que na sua brilhante carreira de ator e ainda na sua atuação como docente do então Conservatório Nacional, tanto marcou a cultura e a atividade cénica e pedagógica da época.

O certo é que António Pinheiro morre em 1943. E tal como já referimos, a sua carreira de comediante marcou não só o Teatro Nacional, onde tatas vezes atuou, como participou em iniciativas de renovação do teatro português: e nesse aspeto, temos aqui referido designadamente o Teatro Livre em 1904/5 e o Teatro Moderno em 1911.

O prestígio da época merece então destaque. E basta citar Sousa Bastos, que em 1908 não hesita: “É um dos atores portugueses mais inteligentes e instruídos”, nada menos!... Não admira que Tavira o consagre!

Vamos ver o que resulta das obras no local do velho Teatro.

DUARTE IVO CRUZ

MAIS TEATROS ROMANOS: TEATRO DE MÉRIDA

Teatro de Mérida.jpg

 

Em artigos anteriores, aqui publicados e que em parte aqui transcrevemos, passamos em revista os vestígios dos teatros romanos existentes no território português. Mas, justifica-se uma breve referência ao teatro e ao circo romano de Mérida (Espanha), e isto por pelo menos três motivos: Mérida foi a capital da Lusitânia; o teatro e o circo de Mérida são os mais bem conservados e relevantes da Península, e foram-no no período romano; e constituem um exemplar centro de produção de espetáculos, dada a conservação, beneficiação e utilização, no ponto de vista de património construído e museológico.

E já agora podemos acrescentar que o Teatro Romano de Medelin, próximo de Mérida, foi um dos galardoados com o Prémio de Conservação da Europa Nostra 2013.

Evoque-se então Mérida e a sua região como capital da Província romana da Lusitânia. Refere Carlos Fabião que “a grande criação de Augusto na Lusitânia foi sem duvida a colónia Augusta Emerita”, a qual “viria a tornar-se a capital da província lusitana e tudo, desde a denominação ao seu primitivo urbanismo, procurava glorificar a pessoa do imperador”.

E noutro local, o mesmo autor especifica que a nova província dividia-se em três circunscrições jurídicas, chamadas conventos, com as respetivas capitais em Augusta Emerita, Pax Julia (Beja) e Scalabis (sob a atual Santarém). Estas três cidades tinham estatuto colonial, entenda-se, todas receberam contingentes de cidadãos romanos, o que se percebe, pela relevância que teriam no quadro administrativo traçado”.  

Veríssimo Serrão descreve estes itinerários e constata que “o quadro rodoviário dos nossos dias assente ainda em grande parte, no original traçado romano”.

A vida cultural, então como hoje, tem ligações diretas e condicionalismos óbvios com a atividade económica e com a projeção dos centros urbanos. E o levantamento dos três itinerários romanos entre Lisboa e Mérida, detalhadamente descritos sobretudo por Vergílio Correia, dá noticia da importância que a ligação entres as duas cidades assumia, no período da dominação romana, sendo Mérida, repita-se, a capital da Lusitânia.

Infelizmente, como vimos nesta série de artigos, dos teatros e anfiteatros romanos, em Portugal, pouco resta…

DUARTE IVO CRUZ

 

Bibliografia citada:
Carlos Fabião - “A Herança Romana em Portugal” e “Uma Historia da Arqueologia Portuguesa”
Vegílio Correia - “A Arquitetura do Ocidente da Lusitânia Romana: entre o público e o privado”

 

MAIS TEATROS ROMANOS: O DE BRAGA

 

Na última crónica, fizemos referência ao Teatro Romano de Lisboa e aludimos a livros recentes ou mais antigos, que versam a perspetiva historial dos edifícios então construídos e explorados, ou o que deles resta...  E nesse aspeto, importa então citar e evocar diversas áreas hoje museológicas mas que, na época, constituíram centros de atividade de espetáculo, tal como então eram concebidos.

 

Designadamente, refira-se o Teatro Romano de Braga, já oportunamente citado, mas que a cronologia recente justifica nova evocação: efetivamente, assinalam-se agora exatos 20 anos decorridos sobre a descoberta e início da recuperação museológica de ruinas da cidade atual que incluíram o que resta, e não é pouco, do Teatro e Anfiteatro da então denominada Bracara Augusta.

 

E tal como aí referimos, citando designadamente um estudo de Manuela Martins, Ricardo Mar, Jorge Ribeiro e Fernanda Magalhães, intitulado “A Construção do Teatro Romano de Bracara Augusta”, para o qual novamente se remete, e onde se refere que “a intenção política terá residido no estabelecimento de uma relação privilegiada do edifício com o fórum que se situava a nascente do teatro”.

 

 E salienta-se ainda, na obra agora novamente citada, “a construção de termas públicas anexas que se dispõe a sul do teatro, sendo de sublinhar que existem numerosos exemplares de uma estreita relação entre os teatros, os equipamentos termais e os jardins”...  (cfr.“A construção do Teatro Romano de Bracara Augusta” in “História da Construção - Arquitetura de Técnicas Construtivas” coordenação de Arnaldo Sousa e Melo e Maria do Carmo Ribeiro).

 

Assinale-se ainda que em 2014 aqui publicámos um artigo sobre a Lusitânia e o teatro romano de Mérida, o qual atualizaremos em próxima crónica, na sequência portanto do estudo sobre o Teatro Romano de Lisboa, esse divulgado no passado dia 10 de agosto, e a que se dá desta forma sequência.

 

Pois em Portugal havia teatro e Teatros muito antes de Gil Vicente!...

 

DUARTE IVO CRUZ  

NOVAS EVOCAÇÕES DO TEATRO ROMANO DE LISBOA

 

Há cerca de 5 anos, evocámos aqui o Teatro Romano de Lisboa. Ocorre que a “redescoberta” das ruínas aliás consideráveis do espaço arquitetónico ou que o que dele restava na época, e que não era pouco, ocorre em 1798: sendo certo que os trabalhos de recuperação e sobretudo de reaproveitamento cultural e de espetáculo verificaram-se séculos decorridos e atingem hoje uma expressão considerável de relevância, tanto no ponto de vista da arqueologia arquitetónica como da atividade museológica e de espetáculo entretanto decorrente.

 

Nesse sentido há que assinalar a edição/reedição de estudos que abordam o tema, estudos esse editados pela EGEAC, entidade da CML que gere o espaço histórico.

 

Citamos designadamente dois livros como dissemos ditados pela EGEAC:

 

“Dissertação Critico-Filológico-Histórica” de Luiz António de Azevedo, edição fac-similada do estudo publicado em 1815 e agora reeditado com um Prefácio de Lídia Fernandes.

 

“Saudades da Rua da Saudade – O Teatro Romano e a sua Envolvente nas Memórias da Cidade”, textos da autoria de Joana Gomes Cardoso, Joana de Sousa Monteiro, Lídia Fernandes, Carolina Grilo, Daniela Araújo, Rui Coelho, Ana Cosme, Rani Almeida, Maria Miguel Lucas, Miguel Coelho.

 

A bibliografia sobre o tema é vasta. Pessoalmente abordei-o    em “Teatros de Portugal” e em textos aqui mesmo divulgados como o artigo datado de 15 de abril de 2014, sob o título de “Teatro Romano de Lisboa – Felicitas Iulia Olissipo”.

 

Aí cito designadamente o estudo de Lídia Fernandes, onde se esclarece que “os elementos arquitetónicos com revestimento a estuque, as características técnicas do edifício e o emprego da ordem jónica, são alguns dos elementos que nos apontam o início da sua construção para uma época recuada”. E acrescenta que o teatro sofreu “uma fase de remodelação, levada a cabo em meados do século I, concretamente 27 d. C.”.     

 

O teatro terá sido abandonado cerca do século VI e sacrificado e soterrado em fases sucessivas da expansão da cidade medieval. Mas o terramoto de 1755 põe as ruínas parcialmente a descoberto. São reconstituídas numa gravura de Francisco Fabri. Em 1815 Luis António de Azevedo publica uma reconstituição do proscénio.

 

Mais se desenvolve o texto, que cita como bibliografia obras diversas de Lídia Fernandes, Aarão de Lacerda, Irisalva Moita, Carlos Fabião, Jorge Alarcão.

 

E no livro acima citado “Saudades da Rua da Saudade” Lídia Fernandes historia a própria criação do Museu e as intervenções que, até 2001, marcaram a recuperação do edifício transformado em Museu, bem como sucessivos trabalhos efetuados neste singular monumento da cidade.

 

Retomaremos o tema em crónicas destinadas a evocar os dois livros recentes.

 

DUARTE IVO CRUZ