Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

TU CÁ TU LÁ COM O PATRIMÓNIO

 

Diário de Agosto * Número 1  

 

Nada melhor do que a sátira, para chamar a atenção para a importância do património cultural. E se falo de sátira, falo de património imaterial, de costumes, de modos de vida. O património da cultura como realidade viva comporta a compreensão da complexidade e da diversidade. Ninguém melhor do que o nosso Nicolau Tolentino de Almeida (1740-1811) para nos dar conta da permanência e da relatividade desses costumes. Olhe-se a gravura que hoje publicamos. Quantas vezes não vemos ainda hoje os toucados e os chapéus extravagantes nas corridas de Ascot? Portanto, não estamos a falar de realidades distantes. O último grito pode torna-se ridículo, mas pode ter sentido quando surge. A novidade é importante, mas só vale se for capaz de ficar. E se folhearmos uma revista de modas, com dez ou vinte anos, temos de sorrir ora com o ridículo, ora com a coexistência ou o conflito gritante entre o bom gosto e a falta de senso… São elementos de todos os tempos. Se a elegância ou o bom gosto devem sempre rimar com bom senso e sentido da medida, a verdade é que isso é mais raro do que supõe. Mas o não nos levarmos demasiado a sério obriga a compreendermos que o tempo só pode ser entendido pelo uso da sátira. E que é a sátira senão a compreensão de que ninguém foge ao ridículo – e que o ridículo permite compreender-se o que passa e o que fica?… Daí o poema de hoje. Um dos mais célebres de Nicolau Tolentino. Está lá tudo dito. A mãe e a filha não fogem ao ridículo. E nada na sátira está a mais. E fala-se de muito mais do que de penteados altos… Tudo nos permite compreender o quadro… Mas se houvesse um comentário sisudo – nada entenderíamos.

 

«Chaves na mão, melena desgrenhada, 
Batendo o pé na casa, a mãe ordena 
Que o furtado colchão, fofo e de pena, 
A filha o ponha ali ou a criada. 

A filha, moça esbelta e aperaltada, 
Lhe diz coa doce voz que o ar serena: 
- «Sumiu-se-lhe um colchão? É forte pena; 
Olhe não fique a casa arruinada...» 

- «Tu respondes assim? Tu zombas disto? 
Tu cuidas que, por ter pai embarcado, 
Já a mãe não tem mãos?» E, dizendo isto, 

Arremete-lhe à cara e ao penteado. 
Eis senão quando (caso nunca visto!) 
Sai-lhe o colchão de dentro do toucado!...
»

 

Agostinho de Morais